Impasse do Enem põe no limbo 48 mil vagas federais

Das 84 universidades e instituições que participam do exame, 36 dependem exclusivamente do Enem para selecionar alunos para 2010. Reunidas, elas respondem por 53% de todas as vagas oferecidas pelo Enem.

São Paulo – A suspensão da validade das provas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) realizadas neste fim de semana deixa em aberto o destino que será dado a pelo menos 48.458 vagas oferecidas em instituições federais. Das 84 universidades e instituições que participam do exame, 36 dependem exclusivamente do Enem para selecionar alunos para 2010. Reunidas, elas respondem por 53% de todas as vagas oferecidas pelo Enem.

Ao contrário do ano passado, quando a prova foi anulada e o processo de reaplicação do Enem ficou todo sob o controle do Ministério da Educação (MEC), o exame deste ano depende mais do tempo que o Judiciário vai precisar para tomar uma decisão final sobre o impasse.

Para as instituições que gostariam de usar o Enem apenas como parte do processo seletivo, se a questão se prolongar, o plano alternativo possível é, segundo os reitores, levar em conta apenas as notas do aluno no vestibular e deixar de lado o exame nacional.

“Daí a esperança de que o impasse na Justiça seja rapidamente resolvido”, afirmou o reitor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Targino de Araújo Filho. Para ele, que também é representante da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), as instituições que dependem exclusivamente do Enem não pensam, no momento, em nenhuma alternativa.

“Ano passado, o exame foi suspenso por causa do vazamento da prova e, mesmo assim, não houve prejuízo para o calendário”, avaliou Targino Filho. “Acredito que neste ano não será diferente.”