Iranduba revê critério e se apoia no futsal

Jogadoras do time de campo também disputam competições nas quadras. No ano passado, um dos agravantes para demissões de atletas foi a participação em torneios de futsal

Thiago Fernando/redacao@diarioam.com.br

Monalisa é titular do time de campo e também joga futsal (Foto: Divulgação)
Monalisa é titular do time de campo e também joga futsal (Foto: Divulgação)

Manaus – Hoje, o Iranduba inicia uma nova fase da sua curta, mas vitoriosa, história. Já campeã Amazonense de Futsal Adulto e Sub-20, o Hulk buscará o título do Sub-17. Segundo o presidente do clube, Amarildo Dutra, a competição servirá para revelar novas atletas que poderão ser aproveitadas no time campo no futuro.

No início do ano passado, o clube alegou ter tido problemas com as atletas Nilda e Deise, que acabaram dispensadas por terem faltado treinamentos alegando doença, mas foram vistas jogando futsal. Após a parceria com a faculdade Mauricio de Nassau, a modalidade entrou no cotidiano das atletas do Hulk.

O presidente Amarildo Dutra explicou que no início do acordo com a universidade, o Iranduba tinha apenas oito bolsas de estudo integrais e quatro com 50% de desconto. Porém, a cota aumentou graças aos primeiros resultados dentro das quadras.

“Ano passado, o time foi campeão dos Jogos Universitários do Amazonas, tanto no campo quanto no futsal. Com esse feito, ganhamos o direito de participar dos Jogos Universitários do Brasil. Conseguimos aumentar para 12 bolsas 100%. No segundo semestre do ano passado, disputamos o Brasileiro Universitário de Futsal da terceira divisão, onde fomos campeões. Assim, no início deste ano, a faculdade nos concedeu 22 bolsas integrais”, explicou o presidente, ao citar que em 2017, as meninas vão disputar, em outubro, a segunda divisão do Campeonato Brasileiro de Futsal Universitário.

Além da carreira universitária, o Iranduba também disputa o Campeonato Amazonense de Futsal Adulto. Nas quadras, o Hulk foi Campeão Amazonense Adulto, em 2016, e conquistou a Taça Nelson Mathias, nesta temporada. Na categoria Sub-20, o alviverde é bicampeão amazonense.

As conquistas renderam vagas em competições nacionais, como a Copa do Brasil e a Taça Brasil. Com a participação de atletas titulares do time que encantou o Brasil no Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, o Iranduba avançou às quartas de final da Copa do Brasil Feminina. Para o presidente, o futsal é um forte aliado pois ajuda a dar ritmo para as jogadoras.

“Temos apenas duas atletas exclusivas para o futsal. As demais são as mesmas do campo. A maioria das atletas do campo é oriunda do futsal e já jogavam em Santa Catarina e São Paulo. São só algumas como Monalisa, Djeni, Kamilla, Dany e Mayara. Normalmente, utilizamos as meninas do sub-20, porque elas estão com menos atividades. Serve para dar ritmo. A Monalisa foi uma excessão, porque tínhamos uma semana para jogar contra o Santos. Tinha tempo suficiente para recuperar”, disse Amarildo.

No ano passado, ao comentar as dispensas de Nilda e Deise, o discurso foi diferente. “Elas me comunicaram que precisavam se manter no futsal, e acertamos que assim que o campeonato terminasse elas estariam liberadas para jogar, antes disso não. Não faria nem sentido eu gastar com academia, nutricionista, médico e outras coisas para preparar jogadoras para o futsal”, comentou Amarildo Dutra, em março do ano passado. Agora, no entanto, as atuais atletas atuaram nas duas modalidades paralelamente.



SIGA-NOS NAS NOSSAS REDES