Pastor vai queimar o Alcorão no dia 11 de setembro, apesar de apelo de militares

Para o general americano David Petraeus, "isto pode colocar em perigo tanto as tropas como o esforço global no Afeganistão".

Washington – Um pastor de uma igreja batista americana que planeja queimar um exemplar do Alcorão no dia 11 de setembro afirmou nesta terça-feira que leva em consideração as inquietações do comandante das forças internacionais no Afeganistão, mas insistiu que está “decidido” a executar o plano.

O pastor Terry Jones, do Dove World Outreach Center, igreja batista localizada em Gainesville (Flórida), pretende queimar em público um exemplar do Alcorão no próximo sábado, data do nono aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

“Estou muito preocupado com as possíveis repercussões caso queimem um Alcorão”, declarou na segunda-feira o comandante das forças internacionais no Afeganistão, o general americano David Petraeus.

“Isto pode colocar em perigo tanto as tropas como o esforço global no Afeganistão”, completou.

“Levamos a sério as palavras do general”, afirmou o pastor ao canal CNN.

“Estamos na verdade muito, muito preocupados com as consequências mencionadas pelo general Petraeus”. Mas ao ser questionado sobre a intenção de queimar o livro sagrado dos muçulmanos, respondeu: “Estamos firmemente determinados a fazê-lo, mas ao mesmo tempo tempo rezamos por este assunto”.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, condenou a iniciativa. Um ato deste tipo viola os “valores” da Otan e “há um risco de que também possa ter um impacto negativo na segurança de nossas tropas” no Afeganistão, declarou Rasmussen à imprensa em uma visita a Washington.