PF diz que não há indícios de vazamento no Enem e que não vai abrir inquérito

Segundo um professor no interior de Pernambuco, um grupo de estudantes o procurou horas antes do início das provas contando que sabiam qual era o tema da redação.

Brasília – A Polícia Federal informou que, por enquanto, não vai abrir inquérito policial para apurar o suposto vazamento do tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em Juazeiro (BA). De acordo com o órgão, não existem, até o momento, informações suficientes para fundamentar a investigação.

Ontem (9), o delegado responsável pelo caso em Juazeiro, Alexandre Lucena, disse que a Polícia Federal no município investigava o vazamento e que o inquérito oficial seria aberto hoje. Lucena chegou a afirmar que os relatos colhidos apontavam que um grupo de pelo menos 30 estudantes teve acesso ao tema antes da prova e que temia que o alcance do vazamento pudesse ser maior. A reportagem não conseguiu entrar em contato com o delegado na manhã de hoje.

A história foi denunciada por um professor de um curso preparatório de Petrolina (PE), cidade vizinha a Juazeiro, a uma emissora de TV da região. Segundo ele, um grupo de estudantes o procurou horas antes do início das provas contando que sabiam qual era o tema da redação.

O Ministério da Educação (MEC) esclareceu que as provas da região do Sertão de São Francisco ficaram sob a guarda do 72º Batalhão de Infantaria Motorizada do Exército e só foram distribuídas na manhã do último sábado (7) e domingo (8), datas da realização do Enem.

“Não haveria possibilidade de estudantes terem acesso ao tema da redação na noite de sábado ou na manhã de domingo, porque o pacote de provas estava lacrado e foi aberto na presença dos estudantes”, afirmou o MEC, por meio de nota.