Propaganda do azeite Gallo está na mira do Conar por suposto racismo

Ao lançar uma embalagem com vidro escuro no fim de 2011, a marca portuguesa criou o mote "O nosso azeite é rico. O vidro escuro é o segurança".

Rio de Janeiro — Uma campanha publicitária do azeite Gallo está na mira do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) sob acusação de racismo. Ao lançar uma embalagem com vidro escuro no fim de 2011, a marca portuguesa criou o mote “O nosso azeite é rico. O vidro escuro é o segurança”.

O anúncio, lançado em novembro do ano passado e desenvolvido pela agência de publicidade AlmappBBDO, foi veiculado apenas em mídia impressa. O caso será julgado pelo Conar este mês, em data ainda não marcada, após uma denúncia feita por um consumidor no mesmo mês do lançamento. Na queixa, o consumidor considerou a peça racista. Alega preconceito contra negros e seguranças.

A peça será analisada pelo Conselho de Ética do Conar, formado por 180 membros em oito câmaras espalhadas por São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília e Porto Alegre. Assim como ocorre na Justiça comum, as peças são distribuídas aleatoriamente para uma dessas câmaras, onde os integrantes se reúnem e analisam a campanha. Os membros são formados por profissionais ligados ao mundo da publicidade.

Assim que recebeu a denúncia, o Conar não tirou a peça do ar, através de liminar, pois, de acordo com análise do órgão, o anúncio não feria a autorregulamentação publicitária. O Conar afirmou que a peça ainda não foi julgada, pois houve recesso em janeiro e, em fevereiro, ocorreu apenas um encontro do Conselho de Ética.

Procuradas, a Gallo e a Almapp disseram que só vão se pronunciar após a decisão do Conar.

Para lançar a nova embalagem do azeite, a empresa investiu R$ 12 milhões no desenvolvimento do projeto. O vidro escuro, segundo a empresa, protege o líquido da luz, preservando sua qualidade.

O Brasil é o país mais importante para a empresa lusitana, que está presente em 47 nações. Em 2011, a Gallo Wordwilde fechou o ano com volume de vendas superior a dez mil toneladas. Para se ter uma ideia da força do produto no mercado brasileiro, a marca responde hoje por 14% de todas as exportações de Portugal para o Brasil. Nos últimos cinco anos, o azeite Gallo dobrou de tamanho no Brasil. A marca é líder em países como Portugal, Brasil, Angola e Venezuela, segundo dados da Euromonitor.