Religiosos e ativistas exigem a demissão imediata da ministra Eleonora Menicucci

Um dos cartazes, carregado por um dos manifestantes, chamava Eleonora Menicucci de assassina e mostrava uma criança sendo atacada por uma estrela vermelha, o símbolo do PT.

SÃO PAULO – Um grupo de cem manifestantes, entre eles religiosos e ativistas pró-vida, reuniu-se nesta quarta (21) na Praça da Sé, no centro de São Paulo, para exigir a demissão “imediata” da ministra da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, e uma reforma do Código Penal que não legalize as práticas do aborto ou da eutanasia no Brasil. As declarações da ministra de que o aborto é uma questão de saúde pública, feitas no início ano, foram duramente criticadas por participantes do ato, organizado pela Comissão em Defesa da Vida, organismo da Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Um dos cartazes, carregado por um dos manifestantes, chamava Eleonora Menicucci de “assassina” e mostrava uma criança sendo atacada por uma estrela vermelha, o símbolo do PT.

— Ela precisa ser substituída não tanto pelo trabalho que vem realizando agora, mas porque sempre defendeu o aborto, que é o grande estrago para a mulher. A presidente Dilma Rousseff também sempre se declarou favorável ao aborto, até a época das eleições, mas parece que até agora ela vem mantendo uma linha de coerência — criticou o coordenador regional da Comissão em Defesa da Vida, o padre Berardo Graz, que acrescentou: 

—A indicação de uma pessoa que praticamente sempre exaltou o aborto, porém, é o primeiro passo para sair dessa coerência.

O ato teve início no final da manhã, na escadaria da Catedral da Sé, no centro de São Paulo. Às 13 horas, os manifestantes caminharam, acompanhados por um carro de som, até a Praça João Mendes, onde passaram a ser liderados pelo bispo emérito de Guarulhos, dom Luiz Gonzaga Bergonzini. O religioso causou polêmica nas últimas eleições presidenciais ao ter sido um dos responsáveis pela encomenda de dois milhões de panfletos que criticavam o PT e a então candidata petista Dilma Rousseff por apoiar a “descriminalização do aborto”. 

Na época, a Justiça Eleitoral determinou a apreensão dos panfletos, que foram liberados no ano passado e devolvido há um mês à Comissão em Defesa da Vida. Na manifestação de hoje, foram levados mais de cem mil panfletos para serem distribuídos aos paulistanos.

— Esse é o primeiro ato programado por nós, talvez sejam necessários outros, vai depender dos acontecimentos. O nosso desejo é que o governo federal tome consciência de que o maior valor humano que temos é a vida. A nossa posição de ontem é a posição de hoje. Nós não mudamos de opinião, não acontece como certas autoridades que, conforme o que interessa, mudam de opinião — afirmou dom Luiz Gonzaga Bergonzini, que criticou a presidente Dilma Rousseff pela nomeação da atual ministra da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres. — O governo federal e a presidente estão tirando a castanha (do fogo) com a mão do gato em suas atitudes. Ela não fala abertamente, mas nomeia ministras que são abortistas.

O coordenador regional da Comissão em Defesa da Vida informou que o organismo ainda não definiu se fará um novo panfleto para as eleições municipais deste ano. Na opinião dele, contudo, as pré-candidaturas de Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB) à prefeitura de São Paulo preocupam. Berardo Graz lembrou que o pré-candidato do PSDB José Serra assinou em 1998, quando era ministro da Saúde, norma técnica que trata de procedimentos para realização do aborto legal no Sistema Único de Saúde (SUS). Ele ponderou, contudo, que o tucano é o candidato “menos ruim” da corrida eleitoral. 

Procurada pelo GLOBO, a ministra Eleonora Menicucci respondeu, por meio de nota, que a Secretaria de Políticas para as Mulheres “está empenhada na implementação de políticas públicas em defesa dos direitos das mulheres e no diálogo com todos os setores da sociedade brasileira, em consonância com as diretrizes do governo federal”. A assessoria de imprensa da CNBB informou que as suas estruturas regionais têm legitimidade para se pronunciar pela entidade.