Responsável pelo ‘Projeto Folha’, Otavio Frias Filho morre aos 61 anos

Paulistano, Frias Filho foi o responsável por consolidar o 'Projeto Folha', conjunto de medidas editoriais que estabeleceu normas de escrita e conduta do jornal, considerado como um dos marcos da imprensa brasileira

Estadão Conteúdo / redacao@diarioam.com.br

São Paulo – Morreu na madrugada desta terça-feira (21), aos 61 anos, o jornalista, dramaturgo e ensaísta Otavio Frias Filho, diretor de Redação do jornal Folha de S. Paulo. Ele tinha câncer no pâncreas. Deixa duas filhas: Miranda, de 8 anos, e Emilia, de 1 ano, que teve com Fernanda Diamant, editora da revista literária Quatro Cinco Um, e os irmãos Maria Helena, médica, Luiz, presidente do Grupo Folha, e Maria Cristina, editora da coluna Mercado Aberto. Seu corpo foi velado e cremado no cemitério Horto do Paz, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo.

O jornalista, dramaturgo e ensaísta Otavio Frias Filho, diretor de Redação do jornal Folha de S. Paulo, morreu na madrugada desta terça-feira (21), aos 61 anos, vítima de câncer no pâncreas. (Foto: Márcio Fernandes/Estadão)

Paulistano, Frias Filho foi o responsável por consolidar o ‘Projeto Folha’, conjunto de medidas editoriais que estabeleceu normas de escrita e conduta do jornal, considerado como um dos marcos da imprensa brasileira. Esses princípios nortearam também o Manual da Redação, lançado em 1984, o primeiro livro do gênero colocado à disposição do público. “Ele criou na Folha um novo jornalismo, inovador e corajoso, que serviu de exemplo para várias empresas do setor. Uma grande perda para todos”, afirmou o diretor-presidente do Estado, Francisco Mesquita Neto.

O velório durou pouco menos de duas horas e foi encerrado com um breve discurso do jornalista e colunista da Folha Clovis Rossi, quando a capela cheia aplaudiu longamente o jornalista, ao som das músicas do REM Losing My Religion e Man on the Moon. “Gostaria de ter tido o talento que ele teve para criar um projeto de jornalismo crítico, apartidário e independente. Esse tipo de projeto é ainda mais necessário hoje diante das fake news”, disse Rossi.

Participaram da cerimônia políticos, jornalistas e empresários. Em Gramado, a diretora Daniela Thomas decidiu cancelar a primeira exibição pública de seu filme O Banquete, que aconteceria nesta quarta-feira no Festival de Cinema. O roteiro do longa é inspirado em eventos recentes da história do País, entre eles carta aberta como a publicada por Frias Filho, nos anos 1990, dirigida ao então presidente Fernando Collor de Mello.