SSP descarta punição de PMs que participaram de protesto em Manaus

Coronel Roberto Vital afirmou que serão analisados quem são os participantes do movimento, mas, no primeiro momento, ninguém será punido

Manaus – Após reunião com o governador do Estado, José Melo, e representantes do movimento da Polícia Militar, o secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP), coronel Roberto Vital, afirmou que serão analisados quem são os participantes do movimento, mas, no primeiro momento, ninguém será punido.

“Com base na legislação, é proibido militar participar de qualquer tipo de movimento. Vamos tomar as providências, mas queremos evitar confrontos”, disse Vital.

Segundo declaração de Melo, a partir de meio-dia, os policiais militares que paralisaram suas atividades na noite de ontem voltam ao trabalho em Manaus e nos municípios do Estado.

A justificativa para evitar a punição foi de houve apenas um ‘manifesto da tropa’, e não um movimento grevista,  “motivo pelo qual não cabe qualquer punição administrativa ou judicial para qualquer punição administrativa ou judicial para qualquer um dos envolvidos no movimento”, de acordo com a ata da reunião assinada por todos os participantes. 

A manifestação dos policiais militares iniciou na noite de domingo e reuniu aproximadamente mil policiais militares do Amazonas se reuniram em protesto no entorno da Arena Amadeu Teixeira, que tem acessos pela Avenida Constantino Nery e Rua Loris Cordovil, no Alvorada, zona centro-oeste de Manaus. O ato aconteceu três horas após o secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP) descartar greve geral.

Nesta manhã, o governador convocou ainda uma reunião com dois integrantes da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), um do Comando de Policiamento Especializado (CPE), um de Interior (CPI), um da Companhia Interativa Comunitária (Cicom), além do secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP), coronel Roberto Vital, o comandante geral da Polícia Militar do Amazonas, coronel Almir David Barbosa, secretário de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Amazonas, coronel Louismar Bonates e titular da Casa Civil, Raul Zaidan.

 

Comentários via Facebook