Vereadores repercutem suspensão de concurso da Manaustrans na CMM

Alguns parlamentares da oposição deram coro às críticas dos candidatos que se sentiram prejudicados, enquanto outros, da base de apoio ao prefeito Amazonino Mendes (PTB), tentaram amenizar a questão.

Manaus –  A suspensão do concurso da Manaustrans, poucas horas após o início de sua realização, neste domingo (8), voltou às discussões nesta segunda-feira (9), durante sessão da Câmara Municipal de Manaus (CMM). Alguns parlamentares da oposição deram coro às críticas dos candidatos que se sentiram prejudicados, enquanto outros, da base de apoio ao prefeito Amazonino Mendes (PTB), tentaram amenizar a questão.

O vereador Elias Emanuel (PSB) classificou o caso como “desrespeito” da Prefeitura com a população que se prestou a fazer concurso. Para ele, houve “fraude” e que o caso precisa ser apurado. O parlamentar anunciou que vai assinar requerimento junto com o vereador Waldemir José (PT) que vai pedir a presença do coronel Walter Cruz, da Manaustrans, para vir à Câmara dar explicações sobre o caso.

Ambos os parlamentares também devem acionar o Ministério Público do Estado para apurar a questão do vazamento de provas, denunciado por candidatos que se sentiram prejudicados no domingo. O vereador Leonel Feitoza (PSDB) disse que não houve fraude, mas sim má índole de algumas pessoas que, de acordo com ele, tentaram “bagunçar” a realização do exame.

O vereador Homero de Miranda Leão (PHS) chegou a dizer que o problema era, na realidade, “terrorismo” por parte de pessoas que, de acordo com ele, foram pagas por terceiros para fazer protestos contra a gestão. Ele disse não saber quem patrocinou os protestos, e disse que algumas pessoas que reclamaram da prova estavam bêbadas.

A Prefeitura realiza, ainda na manhã desta segunda-feira, uma entrevista coletiva para anunciar as medidas que serão tomadas em relação ao concurso. No domingo, durante a realização da prova, alguns candidatos alegaram que as provas que seriam aplicadas em algumas universidades tardaram a ser entregues em algumas salas enquanto em outras, nas mesmas universidades, foram entregues normalmente.