‘Coração de Baleia’ entra em cartaz

Nova produção da trupe manauara aposta em linguagem metafórica para falar de superação. Texto é assinado pela catarinense Martina Sohn Fischer e direção por Taciano Soares

Maria Luiza Dacio/plus@diarioam.com.br

Manaus – Durante o mês de dezembro, o Ateliê 23 exibe seu novo espetáculo, intitulado ‘Coração de Baleia’. A estreia acontece hoje, a partir da 20h na sede do grupo teatral, localizada na  Rua Tapajós, 166, Centro.

O produtor cultural foi diretor e ator no primeiro solo de teatro da companhia (Foto: Divulgação)

O texto é de autoria da catarinense Martina Sohn Fischer, com direção e atuação de Taciano Soares, assistência de direção de Eric Lima e Laury Gitana, iluminação de Daniel Braz e a trilha sonora original de Caroene Neves.

É a segunda vez que Taciano dirige um espetáculo de autoria de Martina. A primeira experiência se deu em 2013, na ocasião da montagem de ‘A Casa de Inverno’, com realização da Artrupe Produções. “A Martina é uma artista muito especial. Ela é muito nova e traz um texto que traduz sensações humanas de uma forma muito madura, experiente e concreta. Acaba se tornando avassalador ler cada um dos textos dela”, conta Taciano.

Para ele, montar a peça foi igualmente típico. “A sensação de estar sendo provocado a sair de mim e me afastar de tudo aquilo que eu achava saber sobre mim mesmo é o que mais me interessa e atrai na escrita dela. E isso incrivelmente aconteceu, tanto na primeira vez quanto agora”, salienta o diretor e ator do espetáculo.

Versatilidade na trama

O produtor teatral conta que dirigir e atuar em um espetáculo é difícil. Isso, porque a direção exige consciência de discutir sobre todos os signos que precisam ser impressos em uma cena. “Eu, enquanto ator da peça, tenho que ter condições de compreender o meu texto e o meu corpo. E, para o diretor, eu sou apenas mais um elemento. O diretor precisa ver o ator, o figurino, o cenário, a luz, a trilha, a encenação como um todo e é bem difícil. Mas, com dois assistentes de direção, facilitou”, disse, avaliando positivamente o amadurecimento que a experiência trouxe.

A montagem é o primeiro solo de teatro que o Ateliê 23 produz.

A trama fala sobre a dor de seguir, de se reconstruir, de ter um novo coração, o desejo por “um coração de baleia que é gigante”, “o abandono do coração humano, pequeno, frágil”.

O texto, assim como a encenação e todas as linguagens que se desenrolam na trama, é cheio de metáforas, falando sobre aprender a abandonar fatos e pessoas passadas.

À época, Taciano estava em Salvador (BA), enquanto a dramaturga em Curitiba (PR), onde reside. “Eu tinha lido muito sobre baleias e visto muitos vídeos sobre baleias azuis — porque a metáfora é ter um coração de baleia, que é o maior órgão de um ser vivo no planeta. Essas foram as inspirações. Só foi colocar pra fora o que tinha me alimentado”.