Dez estilistas iniciantes têm chance no mundo da moda no Fashion Rio

Os jovens estilistas saíram de escolas de moda de cinco estados do Brasil e sonham com espaço nas principais grifes do mercado.

Rio de Janeiro – Dez estilistas iniciantes deram a partida do Fashion Rio ontem no porto da capital fluminense. Trazidos de São Paulo, Brasília, Minas, Bahia e Piauí, eles encontram na semana de moda uma chance não só de firmar pouco a pouco suas marcas próprias, mas também de atrair a atenção do mercado e ser incorporado por grifes já estabelecidas, como as que estão na escalação principal do evento. Redley, Cantão, Espaço Fashion e TNG, por exemplo, já incorporaram às suas equipes de criação egressos do chamado Prêmio Rio Moda Hype.

Saídos de escolas de moda ou não, os jovens que sonham com o sucesso sabem que esta oportunidade é rara, o que faz com que a relação candidato-vaga seja de 30 para uma. “É muito acirrado. As grifes grandes ficam de olho para contratar”, conta Robert Guimarães, empresário à frente da “incubadora de novos talentos” desde 2004.

“Há os que, além de terem talento e vocação, são também empreendedores, e abriram suas lojas, como a Fernanda Yamamoto, em São Paulo, e o Rique Groove, em Ipanema.” A estrela da vez é o piauiense Martins Paulo, que vai para sua sexta participação. Velt, André Lucian, Branchée (RJ), Janiero (SP) e Sann Marcuccy (DF) são estreantes desta edição.

Tendo como tema “Universo Tropical”, a programação do Fashion Rio, que começa hoje e segue até sábado, também traz novidades, entre as quais as estreias da linha de jeans de Alexandre Herchcovitch, a 2nd Floor, segunda marca da Ellus, e a Ágatha, que chega com 20 anos de experiência em varejo. São 29 desfiles no total. Como a edição é de verão, as atenções se voltam aos maiôs e biquínis da Lenny, Salinas, Blue Man e Triya. Lea T., a modelo transexual que chamou a atenção na São Paulo Fashion Week vestida até o pescoço, agora virá de biquíni.