Jovens em Manaus se preparam para fazer protesto pacífico em show do Restart

Grupo pretende distribuir panfletos com informações geográficas e históricas da cidade. Movimento pretende levar até dançarinos de Boi Bumbá para o show.

Manaus – Um grupo de jovens entre 16 e 24 anos planeja protesto pacífico no show da banda Restart, dia 1° de abril.

A manifestação tem o tema “Game over na Ignorância”, e conta com aproximadamente 250 membros. Eles se reúnem desde a repercussão do vídeo do baterista Thomas na internet. Os dias de reunião são quartas-feiras, sábados e domingos no Largo São Sebastião, Centro.

O objetivo do protesto não é ofender ou agredir os integrantes da Restart, e sim usar a imagem do baterista Thomas e a repercussão do caso para mudar um pouco a visão dos brasileiros em relação a cidade. Entre os participantes estão pessoas revoltadas com a situação, fãs da banda e representantes de segmentos, como do Conselho Estadual de Juventude do Amazonas.

O grupo pretende ficar do lado fora do Stúdio 5 na noite do show, distribuindo panfletos com estatísticas e informações históricas e geográficas sobre Manaus. Os próprios jovens estão bancando os materiais para fazer faixas, panfletos e camisas pretas com o slogan “Game over na Ignorância”. Até dançarinos de Boi Bumbá serão levados para o dia da manifestação.

Tudo começou

O universitário Adriano Reis, de 24 anos, conta que tudo começou com a comunidade do Orkut “Manaus odeia Restart”, com 11 mil seguidores atualmente. Ele fazia parte da comunidade, mas não concordava com as ideias dos outros membros, que segundo ele, faziam comentários muito agressivos e sem sentido.

Então Adriano e outros membros saíram da comunidade, e  fundaram o chat no msn com ideias menos radicais e com um propósito diferente. “Não odiamos a banda, nem os integrantes dela. Queremos apenas mostrar que Manaus é mais que o Teatro Amazonas”, explica.

Adriano conta que teve dificuldades em reunir pessoas que compartilhassem o mesmo objetivo. “Nas primeiras reuniões tivemos que tirar algumas pessoas, porque eles só queriam agredir fisicamente os integrantes da banda, e esse nunca foi nosso objetivo”.