Nova temporada de ‘Game of Thrones’ tem mais disputas e personagens

"O que aprendi com a série foi ‘não empurre crianças da janela, não durma com a sua irmã nem dê poder aos seus filhos muito cedo", brincou o ator Nikolaj Coster-Waldau, que interpreta Jaime Lannister.

Londres – Enquanto o temido frio não chega, os habitantes do fictício continente de Westeros vão suar muito na briga pelo poder, que continuará agitada na terceira temporada de Game of Thrones, com estreia prevista para o próximo domingo, às 22h, na HBO, data em que também vai ao ar na TV norte-americana.

Se na atração – baseada no livro As Crônicas de Gelo e Fogo, do norte-americano George R. R. Martin – os personagens ficam preocupados com um inverno que pode durar décadas, na vida real, parte do elenco teve de reforçar o figurino para trabalhar sob uma temperatura de -15ºC.

“Gravamos na Islândia, um ambiente brutal para atuar”, relembra Kit Harrington, intérprete de Jon Snow, que na nova etapa da série será um espião da Patrulha da Noite em meio aos povos que vivem no gelo e pretendem ultrapassar a muralha que protege os reinos onde a história se desenrola. O ator garante que não teve vontade de embarcar com a parte da equipe que gravou na África. “Depois de ouvir as histórias que rolaram no Marrocos, não estou com inveja”, debocha Harrington, misterioso. Ele conta que passa seis meses por ano em função da produção. “Eu fico com saudade de casa depois de muito tempo em quartos de hotel. Mas, na Islândia, não me senti assim. Foi como um passeio da escola.”

Na terceira temporada, abarrotada de novos personagens, ele vai encarar Mance Ryder (Ciarán Hinds), um desertor na Patrulha que enveredou para o lado dos bárbaros e põe em risco os reinos de Westeros. O jovem continuará o romance com Ygritte, vivida por Rose Leslie.

“Eles têm uma história de amor? Nem eu sei dizer. Há uma atração. Mas ele não é muito bom com as mulheres, tem problemas com a mãe, o que se reflete no relacionamento com as mulheres. Às vezes, sou meio introspectivo como ele, mas sou OK com as mulheres.”

A companheira de cena Rose Leslie tampouco sabe definir a situação dos dois na nova fase. “É amor e ódio. Ela tem prazer em provocá-lo”, analisa. A atriz escocesa, de 26 anos, diz não ter se sentido desconfortável ao rodar as violentas lutas de Ygritte. “Você se joga no personagem. E ela é dura, tem esse sentimento dentro. Sangue e morte não significam nada para ela se alguém merece morrer”, disse ao Estado em uma conversa com jornalistas de diferentes países em um hotel em Londres. Por causa do jeito masculino da personagem, os telespectadores não a reconhecem imediatamente. “Na vida real, eu lavo o cabelo.”

Na nova etapa de Game of Thrones, o núcleo de Daenerys (Emilia Clarke) também terá destaque. “Saímos de uma posição fraca para uma forte. Os dragões estão crescendo. A computação gráfica está muito integrada desta vez”, revela Iain Glen, que encarna Jorah, braço direito da domadora de dragões. Daenerys seguirá tentando retomar o reino de onde precisou sair.

“Acho que o público a enxerga como uma líder a caminho do topo. Quando ela reúne o povo que quer lutar, não é porque ela diz que eles vão se dar mal se não a apoiarem. Mas é porque ela os liberou, deu voz a eles. Ela não é áspera o tempo todo, mostra uma doçura”, explica o ator. “Acho que Jorah se apaixonou por ela. Ele expressar isso vai gerar uma tensão na relação deles.”

Outra dupla com boas histórias será a formada por Jamie Lennister (Nikolaj Coster-Waldau) e Brienne (Gwendoline Christie). “Começaremos juntos a temporada e ele vai perturba-la. Ele é muito hábil com a espada, mas é muito melhor com as palavras. Descobre as fraquezas de cada um”, avalia Coster-Waldau, dinamarquês cujo personagem atacou um menino e engravidou a irmã, mãe do rei atual. “O que aprendi com a série foi ‘não empurre crianças da janela, não durma com a sua irmã nem dê poder aos seus filhos muito cedo.”