Roteiro cervejeiro em Petrópolis

São dez cervejarias que, juntas, fabricam 60 variações da bebida, além de outras edições especiais

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Rio de Janeiro – Um dos destinos de inverno preferidos dos cariocas, a Serra Fluminense oferece um motivo a mais para os turistas subirem as montanhas: cerveja. Sede da primeira cervejaria no País, instalada alemão Henrique Kremer, em 1853, a cidade de Petrópolis entrou na rota dos cervejeiros do país. São dez cervejarias que, juntas, fabricam 60 variações da bebida, além de outras edições especiais.

(Foto: Reprodução)

A melhor opção é se hospedar em uma das pousadas em Petropolis e fazer parte das visitações a pé. A Bohemia, por exemplo, fica a menos de cem metros do Palácio de Cristal. Na antiga fábrica, funciona o Museu da Cerveja, que conta a história da bebida no Brasil e no mundo. No meio da visita, duas degustações são oferecidas: um chope pilsen e outro que varia todo mês. O restaurante do museu, no último andar, oferece opções de harmonização com todas as derivações da Bohemia.

Próximo à Bohemia está a cervejaria e restaurante Otten Braun, em Valparaíso, um trajeto que inclui o Relógio das Flores e a Casa de Santos Dumont. A microcervejaria, comandada por Rolf d’Ottenfels, produz sete variações da cerveja do local, a Buda Beer: pilsen, weiss, indian pale ale, red ale, vienna, stout e tripel. A pilsen é o destaque.

Ainda faz parte do roteiro de Petrópolis a cervejaria Cidade Imperial, no bairro da Mosela, fundada por descendentes da própria Família Real e que conta com três rótulos: pilsen, dunkel e helles.

Se estiver com tempo, aproveite a viagem a Petrópolis para conhecer as cervejarias das cidades vizinhas, como Teresópolis e Nova Friburgo.