Advogado diz que vai pedir a liberdade de Melo e Edilene

Na quinta-feira, 4, Melo teve a prisão temporária convertida em preventiva após ser acusado de envolvimento em um esquema de desviou na saúde

Gisele Rodrigues / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O advogado José Carlos Cavalcanti Junior informou, ontem, que vai entrar com um pedido de liberdade do ex-governador cassado José Melo e da mulher dele, a ex-primeira dama Edilene Gomes, até esta terça-feira, no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). Na quinta-feira, 4, Melo teve a prisão temporária convertida em preventiva após ser acusado de envolvimento em um esquema que desviou mais de R$ 110 milhões da saúde.

O advogado do ex-governador cassado pela Justiça Eleitoral, após compra de votos nas eleições de 2014, afirmou que o pedido de liminar ainda não foi ingressado porque somente os familiares do casal estão ajudando na busca de documentos a serem anexados ao pedido.

Melo teve a prisão temporária convertida em preventiva após ser acusado de envolvimento em desvio na Saúde (Foto: Sandro Pereira)

“Há uma dificuldade muito grande em angariar documentos. Ao contrário do que se pensa, eles não têm estrutura, funcionários que trabalham para eles. É a família, junto conosco, que está ajudando a requerer as informações nas secretarias, nos órgãos, para serem anexadas ao pedido”, afirmou o delegado.

Embora não esclareça o motivo utilizado para o pedido de liminar, o advogado informou que a prisão do casal teve “algumas irregularidades”.

O advogado informou que tem visitado o casal diariamente. “Estão enfrentando com determinação. De início, ele (Melo) ficou muito revoltado, inconformado com o que está acontecendo, mas do dia 1º para cá, já demonstrou uma vontade realmente de provar a inocência dele”, disse o advogado.
José Melo foi preso a primeira vez na terceira fase da operação ‘Maus Caminhos’, batizada de ‘Estado de Emergência’. No dia 21 de dezembro, após o prazo de cinco dias da prisão temporária, ele foi liberado, mas voltou à cadeia no dia 31 de dezembro. No dia 4 deste mês, a Justiça Federal converteu em prisão temporária com o prazo de 30 dias.

O ex-governador é acusado de se beneficiar do esquema de desvio de dinheiro da Saúde. Edilene é acusada de esconder documentos e produtos de crimes relacionados à operação.

Na última sexta-feira, 5, a REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO publicou matéria informando que um dos oito construtores que reformaram a mansão adquirida em 2015 pelo ex-governador do Amazonas José Melo (2014/2017) em Manaus revelou à PF que recebeu aproximadamente R$ 500 mil em dinheiro vivo “para custear” obra de reforma do imóvel, “fruto dos caprichos da ex-primeira-dama”, Edilene.

Melo e a mulher estão presos em regime preventivo, por ordem da juíza federal Jaiza Maria Pinto Fraxe, da 1ª Vara Federal de Manaus. A juíza acolheu os argumentos da PF e da Procuradoria da República – o casal estaria ocultando e destruindo provas de um esquema de desvios de R$ 50 milhões da área da Saúde.

O elo principal do ex-mandatário e dos empresários da Saúde teria sido o médico Mouhamad Moustafá, também alvo da operação Maus Caminhos e seus desdobramentos. Em sua decisão, a juíza observa que o ex-governador e a ex-primeira-dama “escolheram a pessoa de Mouhamad Moustafá para concretizar seu intento criminoso.