Advogado informa que Afonso Lobo se apresentou à Polícia Federal

O ex-secretário de Fazenda do Amazonas se apresentou à Polícia Federal no início da noite desta quinta-feira (14)

Álisson Castro / portal@d24am.com

Manaus – O ex-secretário de Fazenda do Amazonas Afonso Lobo se apresentou à Polícia Federal no início da noite desta quinta-feira (14). A informação foi dada pelo advogado dele, Diogo Padilha. Afonso teve a prisão preventiva decretada no âmbito da operação Custo Político, realizada pela Policia Federa (PF), na última quarta-feira (13), que investiga o desvio de dinheiro da Saúde e o pagamento de propina de R$ 20 milhões para ex-secretários de Estado.

Durante a operação, executada em Manaus, Recife, São Paulo e Brasília, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva, nove mandados de prisão temporária, 27 mandados de busca e apreensão, 27 conduções coercitivas e 18 mandados de sequestro de bens móveis e imóveis. Entre os investigados estão cinco ex­-secretários do governo estadual. Dois deles estiveram à frente da Secretaria de Estado da Saúde (Susam).

Os pareceres do MPF encaminhados à Justiça, embasados nas investigações policiais, apontam que 22 agentes públicos estão envolvidos nos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo o MPF, os investigados eram pagos com dinheiro público para acobertar e colaborar com os desvios de verba feitos pelo grupo liderado por Mouhamad Moustafa, principal réu da operação Maus Caminhos. Moustafa também foi preso preventivamente nesta manhã.

O nome da operação faz referência à expressão usada por ele para denominar a propina paga aos ex­secretários. Conforme as investigações, um dos secretários de saúde, à época de seu mandato, chegou a receber pelo menos 14 pagamentos de R$ 133 mil como propina para favorecer o INC, desde a qualificação do instituto como organização social. Outro pagamento identificado, também envolvendo um ex­secretário, totaliza R$ 5,6 milhões, pagos durante 18 meses em repasses de R$ 300 mil.

Além do repasse de valores, que somam cerca de R$ 20 milhões, também foram identificados outros tipos de benefícios usufruídos pelos investigados, como retribuição por contribuírem com o esquema, como vinhos de alto valor, ingressos para shows de artistas nacionais e jogos da Copa do Mundo de 2014, diárias de hotéis de luxo em Brasília e no Rio de Janeiro e disponibilização de carros de luxo com motorista em São Paulo.