Délcio Luiz é escolhido como desembargador do TJAM, pelo Quinto Constitucional

De acordo com a Secretaria de Estado de comunicação Social, a escolha do governador seguiu a votação dos desembargadores, ocorrida na manhã desta quarta-feira (13)

Asafe Augusto / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O advogado Délcio Luiz foi o escolhido pelo governador Amazonino Mendes (PDT) para ocupar o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), pelo Quinto Constitucional. De acordo com a Secretaria de Estado de comunicação Social (Secom), a escolha do governador seguiu a votação dos desembargadores, ocorrida na manhã desta quarta-feira (13), e que deixou Délcio como o mais votado, com 22 votos, seguido de Silvio Costa, com dez votos e Jorge Pinho, que também recebeu dez votos.


Délcio Luiz foi escolhido como desembargador do TJAM, pelo Quinto Constitucional (Foto: Divulgação/TRE)

A lista tríplice foi encaminhada ao governador minutos após o término da votação entre os desembargadores.

Antes de saber que seria o escolhido, Délcio se mostrava tranquilo. “Quem faz o bem, tem o retorno do bem, e eu sempre procurei fazer o meu melhor para todo mundo”, disse. Nas redes sociais, o novo desembargador agradeceu de forma sucinta. “Obrigado”, disse, após a decisão do governador.

Conforme o Tribunal de Justiça, esta é a última das sete vagas criadas pela Lei Complementar 126/2013, que elevou de 19 para 26 o número desembargadores da Corte Estadual.

Na votação desta quarta-feira, os desembargadores do TJAM escolheram entre seis nomes que foram mais votados pelos advogados na Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Amazonas (OAB-AM), no dia 26 de maio. Além dos três mais votados nesta quarta-feira, disputaram a vaga Carlos Alberto de Moraes Ramos Filho, que recebeu nove votos, Francisco Charles Garcia Júnior, que obteve oito votos, e Alberto Bezerra de Melo, que teve sete votos.

O presidente do TJAM, desembargador Flávio Pascarelli, explicou que o escolhido tem 30 dias para assumir o cargo na Corte Estadual.

Das sete vagas criadas pela Lei Complementar 126/2013, duas foram destinadas ao Quinto Constitucional, conforme prevê a Constituição Brasileira. Em março de 2017, a primeira delas, destinada ao Ministério Público do Estado, foi preenchida com a escolha do então promotor José Hamilton Saraiva dos Santos.

*Atualizada às 13h57, para acréscimo de informações.