Amazonino responde a temas para o AM em entrevista na REDE DIÁRIO

Sem a presença do candidato Wilson Lima, o debate foi transformado em uma entrevista, com o candidato à reeleição Amazonino Mendes, a qual falou sobre segurança, educação, dentre outros temas

Álisson Castro / redacao@diarioam.com.br

Manaus – A REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) realizou, nesta segunda-feira (22), uma entrevista com o candidato a reeleição Amazonino Mendes (PDT), da coligação ‘Eu Voto no Amazonas’, para falar sobre as propostas para o governo o Estado. A RDC programou um debate entre os dois candidatos que disputam os segundo turno para um debate, mas ele foi transformado em entrevista com a ausência do candidato Wilson Lima, da coligação ‘Transformação por um Novo Amazonas’, que não compareceu para discutir temas importantes do Estado.

Assista à transmissão da entrevista:

Posted by D24am on Monday, October 22, 2018

No primeiro bloco, Amazonino Mendes respondeu a perguntas elaboradas pela produção do programa, com temas sorteados pelo mediador Gustavo Toledo. O candidato iniciou lamentando a ausência do adversário. “Quero fazer o registro do meu desconcerto em não ter ao adversário aqui, que seria uma ótima oportunidade para que ele expusesse suas razões e indignação ao que ele chama de fake news”, disse.

Amazonino respondeu ao questionamento sobre a contratação de uma consultoria internacional para ajudar a combater a criminalidade no Amazonas. Para o candidato, quando se procura resolver um problema deve-se procurar o melhor no assunto.

“Quando a gente quer resolver o problema, a gente procura o melhor médico, o melhor cirurgião. É só isto, não tem que gastar mais nada, precisava-se e se precisa – todo o Brasil não, só o Amazonas – de um serviço realmente confiável, que não seja só de enxugar gelo e capaz de resolver esta questão tão urgente que é o crime organizado”, disse.

Amazonino participou de entrevista promovida pela REDE DIÁRIO (Foto: Jimmy Geber)

O candidato citou que, atualmente, Medellin, na Colômbia, é uma cidade boa para se viver graças a empresa contratada pelo governo do Amazonas.

Quanto ao tema Educação, Amazonino foi questionado sobre o Amazonas não ter alcançado a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e ainda ter caído o,22 pontos em relação a 2015. O governador disse que ainda não teve governo para solucionar o problema.

“Eu tive um ano de governo, peguei o bonde andando. É claro que herdei uma série de mazelas e incompetências, incongruências e desgovernos por aí. Então, saí consertando onde pude, de tal sorte que esta referência não cabe a mim, é injusto e não faz sentido. Eu tenho me esforçado para resolver todos os problemas porque os serviços, de um modo geral, como educação, saúde, segurança todos foram afetados de forma negativa pelos governos passados”, disse.

Sobre os problemas do interior do Estado, Amazonino citou que criou o programa Terceiro Ciclo para desenvolver os municípios do interior.

No segundo bloco, o candidato respondeu perguntas de jornalistas da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO. A repórter Gisele Rodrigues, do Portal D24AM questionou como o atual governador pretende, caso seja reeleito, restaurar a BR-319, estrada que liga Manaus a Porto Velho-RO. “Esta matéria não é nova para mim, que já fiz com a BR-317 que é uma estrada federal. Na época, queria fazer porque sonhava com um porto no Caribe para escoar produtos da Zona Franca de Manaus. Naquele tempo as exigências ambientais não eram tantas, hoje, realmente, é motivo de preocupação, sabe-se que a BR-319 até hoje não foi construída pelos impedimentos ambientais. Eu já pedimos não só a delegação, mas que o nosso instituto, o Ipaam, defina a questão ambiental”, disse.

Ao responder questionamento da repórter Nathalie Moraes, da TV DIÁRIO RECORD NEWS MANAUS, sobre produção rural, o governador disse que tem experiência com este assunto. “Chegamos a ter no município de Envira uma grande produção de grãos, de milho, arroz, feijão, café, farinha nem se fala. Então, tudo isto se acabou, abandonaram, tinha gente que fazia gozação. Quando a gente é revolucionário, traz ideias novas, sempre tem aqueles contrários”, afirmou.

No terceiro e único bloco, Amazonino Mendes teve dois minutos para fazer considerações finais e voltou a criticar ausência do adversário.