Ato contra Jair Bolsonaro reúne milhares de pessoas, no Centro de Manaus

Manifestação, que se concentra no Largo São Sebastião, já conta com cerca de quatro mil presentes, segundo a PM. Diversas cidades do Brasil também se mobilizam contra o candidato

Álisson Castro / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Milhares de pessoas participam de um ato público, na Largo São Sebastião, Centro de Manaus, contra candidatura de Jair Bolsonaro a presidência da República. O ato, que teve início às 17h, faz parte de uma mobilização nacional de entidades em favor do direitos das mulheres.

Cerca de quatro mil pessoas participam do movimento, em Manaus (Foto: Jimmy Geber)

Uma das coordenadoras do evento em Manaus, Marclize Santos, diz que a manifestação se trata de um marco político. “Infelizmente, temos um candidato que tem um discurso machista, homofóbico e contra as conquistas socias. Para nós, é o candidato que incita violência e ódio. Fazer este ato hoje é mostrar que queremos uma pauta diferente”, disse.

A coordenadora revelou que o grupo de organizadores do evento nas redes sociais recebeu ameaças pelo Facebook. “Eu não gosto de falar sobre isto, porque foram escritas coisas muito fortes”.

O poeta Dori Carvalho afirmou ter medo do atual momento político. “Eu já passei por alguns golpes, já passei por ditaduras e por momentos temerosos neste País. E o meu medo agora é que a truculência, a intolerância, a estupidez tome conta no Brasil. Por isto eu estou hoje aqui nesta lutando contra o fascismo, junto com as mulheres porque virou um grito no Brasil inteiro das mulheres que se sentem ofendidas, oprimidas e maltratadas além de assassinadas e isto já se tomou uma proporção muito maior contra qualquer tipo de atitude contra o ser humano”, contou.

Para a Florismar Ferreira, 55, uma das coordenadoras do evento, um dos objetivos do ato é mostrar o peso do voto e da valorização da mulher. “Nós lutamos por direitos iguais e todas as conquistas que tivemos foi com a luta das mulheres. Nada foi de graça para nós, e não é uma pessoa que deve dizer que as mulheres devem ganhar menos”, afirmou.

O estudante do curso de Letras Carlos Alberto Costa de Medeiros, 25, o mais importante é que o ato não é partidário. “Estamos aqui dizendo “Ele Não” a uma pessoa preconceituosa, este não é um ato político-partidário, mas sim, um ato em favor da civilidade”, frisou.

De acordo com a Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), até às 18h deste sábado, cerca de quatro mil pessoas se concentravam no local.

***Matéria atualizada às 19h, para acréscimo de informação.