Eduardo Braga quer fortalecer a ZFM com novas linhas de produtos

O senador, candidato à reeleição, apresentou suas propostas durante entrevista no DEZ NA TV, da TV DIÁRIO/RECORD NEWS MANAUS, nesta segunda-feira

Édria Caroline / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Atualizar tecnologicamente os produtos que já são produzidos na Zona Franca de Manaus (ZFM), além de buscar uma nova fronteira de produtos para o Polo Industrial Manaus (PIM) são algumas das propostas do senador e candidato à reeleição Eduardo Braga (MDB). O senador apresentou ideias e marcos de seu mandato, durante entrevista no programa ‘DEZ NA TV’, da TV DIÁRIO/RECORD NEWS MANAUS, na manhã desta segunda-feira (10).

Eduardo Braga disse que quer fortalecer a ZFM com novas linhas de produtos (Foto: Raquel Miranda)

Eduardo Braga acredita que o PIM precisa de novos incentivos, como a fabricação de produtos como lâmpadas de led e placas de energia solar. “É preciso trazer uma nova fronteira de produtos para o Polo Industrial para que nós possamos retomar a geração de emprego. Por exemplo, as lâmpadas de led, hoje, são produzidas no Japão. Se nós produzíssemos aqui, na Zona Franca, lâmpadas led para iluminar as ruas, para reduzir o consumo nas casas, nós teríamos eficiência energética e ao mesmo tempo geração de emprego e renda no Polo”, explica.

Sobre a ampliação da ZFM para a região metropolitana de Manaus ou para cidades-polo, o senador afirma que é possível. “Há como gerar empregos, o que nós precisamos é de um plano estratégico e de uma ação segura nessa direção. Existem produtos que podem ser agregados à Zona Franca, produtos inclusive da biodiversidade. Podemos implantar no Rio Preto da Eva uma série de agroindústrias para gerar emprego para os produtores de laranja poder engarrafar o suco de laranja de forma pasteurizada para que ele possa durar mais e para eu ele possa ser consumido, por exemplo, na merenda escolar da cidade de Manaus”, afirma Eduardo.

Leia também: Candidato à reeleição ao Senado, Eduardo Braga ressalta a importância da BR-319

Uma das principais bandeiras do senador, a BR-319 também foi um dos assuntos abordados durante a entrevista. Há quase 20 anos lutando para obter uma licença ambiental e assim dar continuidade às obras da rodovia, Eduardo Braga afirma que o que falta é vontade política.

“Nós provamos isso na comissão de infraestrutura a ponto de conseguir trazer novamente a discussão da BR-319 para o topo da agenda nacional. Tem as questões ambientais que precisam ser olhadas com preocupação, mas não é impossível. E nós, amazonenses não podemos ser penalizados por isso. O feijão, o arroz chega mais caro para vender no Amazonas porque nós não temos uma estrada”, diz.

Segundo Braga, a rodovia pode facilitar a chegada de produtos como milho, arroz e feijão, fundamentais na cesta básica e, ao mesmo tempo, criar emprego e renda no Estado. “Esse é um sonho que eu estou lutando e eu espero poder realizar da mesma forma que realizamos o gasoduto Coari-Manaus, a linha de transmissão de Tucuruí, ponte sobre o Rio Negro e a prorrogação da Zona Franca de Manaus”, enfatiza o senador.

Para a educação, Eduardo Braga afirma que o melhor investimento na área é a valorização e a qualificação dos professores. “Quando fui governador, criei até o 17º salário para os professores, tirei o estado da penúltima colocação do Ideb e nós ficamos entre os 10 melhores estados no índice de educação”, afirma o senador, que também explicou que as escolas de tempo integral devem funcionar como verdadeiros laboratórios preparando o jovem para um futuro profissional promissor.

Como uma solução funcional para a segurança pública, o senador disse que é necessário que as fronteiras sejam fechadas, impedindo a entrada de armas e entorpecentes no estado. “O sistema unificado de segurança pública, que já está aprovado, prevê que uma das ações do Ministério da Segurança Pública é montar um plano de fechamento das nossas fronteiras. A crise recente que aconteceu no estado de Roraima mostra o quão frágil é a nossa vigilância nas fronteiras, inclusive vigilância sanitária, já que deixamos deixar sarampo no Brasil que, inclusive, já matou alguns brasileiros. Pelas outras fronteiras nós deixamos entrar drogas e armamento. O Exército Brasileiro, a Marinha, Aeronáutica, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, a Força Nacional, em ação cooperada com as polícias militar e civil poderiam, com novas tecnologias e investimentos, fazer esse fechamento e reduzir a questão”, explica.

O senador Eduardo Braga encerrou a série de entrevistas com os candidatos ao Senado Federal no programa ‘DEZ NA TV’ e abriu a rodada de entrevistas com os candidatos ao senado na RÁDIO DIÁRIO 95,7 FM, no programa ‘DIÁRIO DA MANHÃ’ que, nesta terça-feira (11) recebe Rondinely Fonseca (PSOL).