‘Eles são competentes, são capazes’, diz Amazonino sobre consultoria em segurança para o Estado

A gestão de Amazonino contratou a consultoria do ex-prefeito de Nova York e proprietário da empresa Giuliani Security & Safety (GSS), Rudolph Giuliani, classificada como 'milagrosa' pelo governador do Amazonas

Da Redação / redacao@diarioam.com.br

Manaus – O governador Amazonino Mendes (PDT), em entrevista no programa DIÁRIO DA MANHÃ, da RÁDIO DIÁRIO 95,7, defendeu a atuação da empresa norte-americana contratada para prestar consultoria em segurança pública para o Estado. A declaração foi dada na manhã desta quarta-feira (10).

Segurança pública: “É um trabalho que deverá dar seu resultado em quatro anos. Não pode ser menos que isso”, afirmou Amazonino. (Foto: Raquel Miranda/RDC)

A gestão de Amazonino contratou a consultoria do ex-prefeito de Nova York e proprietário da empresa Giuliani Security & Safety (GSS), Rudolph Giuliani, classificada como ‘milagrosa’ pelo governador do Amazonas. “É um milagre. Eles são competentes, são capazes”, disse, ao comparar a capital Manaus com a cidade de Medellín, na Colômbia. Segundo Amazonino, a cidade colombiana era a mais violenta do mundo e, hoje, é a mais pacata.

O governador disse que tem seguido a risca as recomendações da consultoria e citou as últimas mudanças que tem feito na segurança pública, como a nomeação do coronel Amadeu Soares como Secretário de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

“Essas mudanças não são intervenções políticas, são administrativas. E pode prestar atenção, que, depois do Bosco (Saraiva – ex-secretário da SSP), só veio coronéis. É gente que está integrada nesse processo. Nós criamos, inclusive, um órgão novo, o GuardiAM, que está sendo comandado pelo coronel Walter Cruz. É um trabalho que deverá dar seu resultado em quatro anos. Não pode ser menos que isso”, afirmou.

O governador também defendeu maior controle das fronteiras por parte do governo federal para impedir a entrada de drogas. Amazonino lembrou que o Amazonas é vizinho do Peru e da Colômbia e que, por ser fronteira, se torna um “grande corredor”.

“A fronteira é competência da União. […] Inclusive no meu programa com o Giuliani, eu coloquei a fronteira, embora sabendo que eu não tinha jurisdição para isso. Já discuti isso com o (Raul) Jungmann, também, Ministro da Segurança. Isso é um assunto pra ser resolvido com o tempo, porque se nós não conseguirmos policiar as fronteiras com eficácia, o negócio não fica fácil”, finalizou.