Vice de Bolsonaro, general Mourão diz que fronteiras do AM serão reforçadas com armamentos

Medida visa combater o narcotráfico e facções criminosas que atuam no Estado. Neste sábado (15), o candidato participa de uma carreata nas zonas leste e norte da capital

Jucélio Paiva / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Fortalecer as áreas de fronteiras com armamentos e aparatos tecnológicos para combater o narcotráfico e facções criminosas que atuam no Amazonas é uma das apostas do general da reserva do Exército Brasileiro, Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente da República, na chapa de Jair Bolsonaro (PSL). O anúncio foi feito para um público de 400 pessoas, entre empresários, militares, policiais e apoiadores de campanha, durante palestra no fim da tarde desta sexta-feira (14), no Hotel Da Vinci, localizado no bairro Adrianópolis, zona centro-sul da capital.

No meio econômico, o general Hamilton Mourão apontou o investimento na ciência e tecnologia e nas grandes empresas, como saída para vencer a crise econômica e tornar o País mais competitivo no exterior.

Neste sábado (15), o candidato participa de uma carreata nas zonas leste e norte da capital, e por questões de segurança vai sair do carro e subir direto para o trio elétrico. Após o término do evento, deve descer do trio e entrar no carro sem o ‘corpo a corpo’ com o público.

O evento está previsto para começar a partir das 9h, na rotatória do bairro São José, nas proximidades do Terminal de Integração 5 (T5), e deve percorrer toda a Avenida Autaz Mirim, com encerramento na frente do Sumaúma Shopping, na Avenida Noel Nutels, bairro Cidade Nova, zona norte da capital.

A palestra do general Hamilton Mourão durou pouco mais de uma hora. Para o Amazonas, além dos incentivos para a Zona Franca de Manaus (ZFM), o vice de Jair Bolsonaro disse que o combate ao crime organizado depende da integração entre Forças Armadas e o sistema de segurança pública do Amazonas, principalmente, com armamento, aparatos tecnológicos e mais policiais. “Não é simplesmente a questão de ‘botar’ gente. Gente sem material não cumpre a função. [Devemos] Buscar os alimentos da Polícia Federal, integrar nosso cordão de isolamento na fronteira e também dialogar com os países vizinhos, que são os grandes produtores de drogas”, disse.

Além do fortalecimento das fronteiras e o incentivo às grandes empresas exportadoras de produtos para outros países, Mourão defendeu a ajuda humanitária aos refugiados venezuelanos, e falou sobre assumir os debates na corrida presidencial, após o incidente com o candidato Jair Bolsonaro. “Se eu tiver que participar dos debates, vou defender exatamente o que o Bolsonaro defenderia. Óbvio que a personalidade dele é uma e a minha é outra. Eu irei defender as perguntas da mesma forma, mas não com o mesmo brilhantismo dele”, comentou.

O general da reserva Hamilton Mourão segue hospedado no Hotel Da Vinci e é escoltado por um grupo de agentes federais, além de contar com o apoio de duas viaturas da 16ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).