Wilker Barreto critica falta de transparência do titular da Sefaz

Durante reunião do secretário Alex Del Giglio com a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), não foi apresentado nenhum documento oficial que comprove o real déficit do Amazonas

Com informações da assessoria / redacao@diarioam.com.br

Manaus – Nesta quarta-feira (13), o deputado estadual Wilker Barreto (PHS) usou a tribuna para mostrar seu descontentamento com o secretário de Estado da Fazenda do Amazonas (Sefaz), Alex Del Giglio, quanto aos números não revelados sobre o déficit do Estado. O parlamentar também voltou questionar as mortes ocorridas nos hospitais do Amazonas e protocolou o pedido de investigação no Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM).

Durante a reunião na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que iniciou pela manhã e terminou no início da tarde desta terça-feira (12), o parlamentar lamentou que Del Giglio não tenha deixado um documento oficial constando a real dívida do Amazonas.

“O governador primeiro falou em R$ 1 milhão, depois 1,5 mi e chegou até em R$ 3 milhões. O secretário não deixou nenhum papel de rascunho aqui na comissão confirmando os valores. Não trouxeram! Queria ter visto um secretário apontando caminhos. Em nenhum momento se falou em reforma administrativa, em realinhamento de contrato e fala-se em economizar R$ 600 milhões com um decreto mágico. O secretário está despreparado tecnicamente e emocionalmente”, declarou.

O deputado estadual Wilker Barreto criticou a falta de transparência da Sefaz (Foto: Divulgação)

Barreto avisou que vai pedir o retorno do secretário à CAE, caso a Sefaz não prestes esclarecimentos em documentos de forma física ou digital até a próxima semana. “Até a próxima terça-feira (19) vou protocolar um requerimento no seio da comissão (de Assuntos Econômicos) para que ele (Del Giglio) venha e traga os números reais do Estado”, disse

Pedido protocolado no MPE

Conforme anunciado nesta terça-feira (12), o deputado Wilker Barreto esteve, na tarde desta quarta, na sede do Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) para protocolar o pedido de investigação por negligência e omissão de socorro por parte do governo do Amazonas. O pedido tem como base as fiscalizações feitas nos principais hospitais da capital, como é o caso do Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto, unidade que falta 60 medicamentos e 433 Produtos para a Saúde (PPS).

“O governador e o vice-governador estão em voo cego. Eles assumiram o risco de matar ao saber que está falando remédio. É tipo alguém beber e sair dirigindo. Ele assume o risco de matar, caso venha atropelar alguma pessoa. É isso que quero que o Ministério Público investigue. Há pessoas morrendo no interior por falta de leito nos hospitais da capital. Tudo isso precisa ser investigado”, comentou.