Agências bancárias são autuadas durante fiscalização em Humaitá

Os bancos terão um prazo de 10 dias para apresentar providências quanto às infrações constatadas nas agências

Humaitá – Das quatro agências bancárias instaladas no município de Humaitá (a 696 quilômetros de Manaus), duas – uma da Caixa Econômica Federal e outra do Banco do Brasil – foram autuadas por descumprimento da Lei Estadual das Filas, durante fiscalização realizada pelas equipes da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado (CDC/ALE) e do Procon-AM, nesta sexta-feira (20). Os bancos terão um prazo de 10 dias para apresentar providências quanto às infrações constatadas nas duas agências.

(Foto: Divulgação)

De acordo com o presidente da CDC/Aleam, deputado estadual João Luiz (Republicanos), além do tempo de espera nas filas, foi constatada falta de dinheiro nos caixas eletrônicos.

“Atendemos a uma demanda da população, viemos a Humaitá e, em parceria com o Procon-AM, constatamos algumas infrações que os bancos, infelizmente, ainda cometem contra o consumidor. O desrespeito à Lei das Filas é uma reclamação constante. As instituições bancárias lucram bilhões e têm estrutura e obrigação de prestar um atendimento célere e de qualidade aos clientes”, afirmou João Luiz.

Em relação à falta de dinheiro nos caixas eletrônicos, o presidente da CDC afirmou que há falta de planejamento por parte dos bancos. “Com a liberação do pagamento do FGTS pelo Governo Federal, aumentou o número de operações de saque nos caixas eletrônicos. E os bancos têm obrigação de se planejar para atender a demanda. O consumidor não pode ser penalizado pela falta de planejamento da instituição bancária”, completou o parlamentar.

Conforme o agente fiscal do Procon-AM, Matheus Torres, os bancos notificados com os autos de constatação terão o prazo de dez dias, a contar de hoje, para apresentar justificativas e corrigir os problemas. “Existe uma legislação em vigência que deve ser cumprida. A agência tem de se adequar à lei e não o consumidor à estrutura do banco. Estamos aqui, junto à CDC/Aleam, para resguardar os direitos do consumidor”, disse.