Alunos realizam manifestação contra assédio sexual em escola de Manaus

O caso foi registrado no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Um processo administrativo contra o professor denunciado será aberto

Manaus – Alunos realizaram uma manifestação na manhã desta terça-feira (1), contra assédio sexual. Os alunos alegam que os abusos foram cometidos por um professor de matemática contra alunas do ensino médio da Escola Estadual André Vidal de Araújo, no bairro da Cidade Nova, zona Norte de Manaus.

Alunos em manifestação na frente da Escola Estadual André Vidal de Araújo (Foto: Reprodução/Internet)

Uma das vítimas, Raquel Castro, 18, afirmou que o assédio correu na última sexta-feira (26). “Ele me levou para a biblioteca, em uma região sem câmera, dizendo que ele aumentaria minha nota se eu enviasse fotos sem roupas. Uma colega de sala também passou por isso”, disse a estudante.

Após o ocorrido, o professor foi afastado na unidade escolar. Durante a manifestação, os alunos exigiram que o professor seja exonerado e não trabalhe mais na escola.

“Após o caso ter sido revelado, descobrimos outras vítimas. Eles também haviam solicitado providências, mas nada foi feito. Queremos justiça”, disse uma aluna.

blank

A polícia esteve no local para controlar a manifestação, o caso foi registrado no 6º DIP (Foto: Reprodução)

A frente da escola ficou tomada por cartazes que pediam respeito pelas alunas. O caso foi registrado no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Um processo administrativo contra o professor será aberto.

A Secretária de Educação e Desporto, após ser questionada, emitiu uma nota afirmando que já estava ciente do caso e que as medidas já estão sendo tomadas. Confira abaixo a nota na integra:

“A Secretaria de Estado de Educação e Desporto informa que recebeu a denúncia da aluna nesta terça-feira (30), do caso que teria ocorrido no dia 9 deste mês. O professor denunciado foi afastado e será aberto um processo administrativo para apurar o ocorrido.

A Secretaria de Educação reforça que todas as equipes gestoras estão orientadas sobre a necessidade de afastamento imediato dos envolvidos, além de orientar o apoio e escuta às denúncias das possíveis vítimas”.

Anúncio