Amazonas será beneficiado com campanha de vacinação antecipada

Benefício se dá pelo fato do Amazonas está passando pelo ‘inverno amazônico’

Manaus – O anúncio da antecipação da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, feito na última quinta-feira (27) pelo Ministério da Saúde (MS), vem em bom momento para o Amazonas, de acordo com o secretário de Estado de Saúde (Susam), Rodrigo Tobias. Desde o início de janeiro, o secretário estava solicitando a antecipação da vacina, em razão do aumento de síndromes gripais no “inverno amazônico”.

Decisão foi acertada entre a Susam e o Ministério da Saúde (Foto: Divulgação)

Segundo o secretário, a expectativa é que os primeiros lotes da vacina cheguem ao Amazonas na segunda quinzena de março. O Ministério da Saúde quer que a campanha inicie com um mês de antecedência da previsão inicial, que era para o mês de abril. A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) aguarda informa técnico do ministério para definir o calendário.

Em janeiro deste ano, Rodrigo Tobias conversou com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e apresentou os dados epidemiológicos que evidenciam o maior número de casos de síndromes gripais durante o chamado “inverno amazônico”.

“A gente recebe essa notícia com muita satisfação e essa antecipação atende a nossa solicitação. Nós levamos a demanda para o Ministério da Saúde, eles entenderam, de acordo com o nosso boletim epidemiológico, utilizando desde a 44ª semana de 2019 (novembro), até o final de janeiro. Eles observam o quadro e o comportamento do número de casos confirmados de síndrome respiratória aguda e, de fato, eles observam uma necessidade”, disse o titular da Susam.

A maioria das infecções por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) registradas do Amazonas é de origem viral, dentre eles, Influenza A e B, Vírus Sincicial Respiratório (VSR), Adenovírus, Parainfluenza, Coronavírus e Metapneumovírus.

Dos 216 casos notificados de SRAG, de novembro de 2019 a janeiro deste ano, 43 casos foram confirmados para vírus respiratórios. Destes, 41,9% (18) casos confirmados para influenza, com destaque para a ocorrência de 3 casos confirmados por Influenza A (H1N1) e 15 casos de Influenza B. Dos 25 casos confirmados por outros vírus respiratórios (58,1%), predominou-se a ocorrência de Adenovírus (17 casos) e Vírus Sincicial Respiratório (5 casos), este último mais recorrente em gestantes e crianças menores de 1 ano.

De acordo com o MS, as doses da vacina previnem contra os três tipos de vírus de influenza que mais circularam no ano anterior.

Para se proteger dos principais vírus da gripe, o secretário da Susam reforçou a necessidade da vacinação dos públicos-alvo. Primeiro, devem ser vacinadas gestantes, crianças até seis anos, mulheres até 45 dias após o parto e idosos.