Ambulâncias são incendiadas no município de Lábrea

Além disso, o posto de saúde do local também sofreu depredações. A polícia ainda não identificou os possíveis autores das ações

Manaus – Duas ambulâncias foram incendiadas no estacionamento de uma unidade hospitalar, no município de Lábrea (a 702 quilômetros a sudoeste de Manaus), na noite desta quinta-feira (7), por volta das 23h30. Segundo informações do comandante da 4ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) de Lábrea, capitão Orlando Santos, cerca de oito pessoas estão envolvidas na autoria do incêndio, sendo que a maioria ele acredita ser menor idade.

Os autores queimaram uma ambulância e um carro que é utilizado para remover os corpos do necrotério. Ainda segundo o capitão, a polícia de Lábrea já tem conhecimento dos suspeitos envolvidos no crime. A motivação seria em retaliação as constantes operações e apreensões realizadas pela polícia, no município, para combater o tráfico de drogas.“Essa desordem toda começou nessa semana, a cidade estava tranquila. Devido às apreensões que estamos realizando, eles estão causando a desordem na cidade”, disse.

As esquipes policiais de Lábrea já estão nas ruas, com mais de 15 policiais, que buscam localizar os envolvidos no crime. Conforme o capitão Orlando, alguns dos suspeitos estão em liberdade condicional. “Nós já sabemos onde eles estão escondidos, e não vamos divulgas as imagens para não atrapalhar as investigações. Acredito que, daqui para amanhã, nós vamos conseguir capturar todos eles”, afirmou.

Em nota, Associação Amazonense de Municípios (AAM) disse repudiar e condenar, com veemência, o ataque realizado ao posto de saúde e ambulâncias de Lábrea. “Entendemos que a saúde pública em todo Amazonas atravessa um período de grandes dificuldades, o que tem afetado a sociedade em geral, principalmente nossos irmãos do interior”.

Porém, “não podemos tolerar esse tipo de conduta contra o patrimônio e, indiretamente, aos inúmeros cidadãos de Lábrea que necessitam dos serviços oferecidos por esses equipamentos públicos”, ressaltou. A AAM pediu às autoridades locais uma apuração rigorosa dos fatos e a punição dos responsáveis.

***Matéria atualizada às 12h08 para acréscimo de informações