Após aluna ser expulsa de sala com filho de dez meses, colegas fazem protesto em frente a escola

O vídeo com a expulsão da aluna de dentro de sala de aula da Escola Estadual Vasco Vasques, no bairro Jorge Teixeira, ‘viralizou’ nas redes sociais, na última sexta-feira (8)

Manaus – Alunos da Escola Estadual Vasco Vasques, na Rua Nova Esperança, 474, bairro Jorge Teixeira, zona leste da capital, realizaram, na manhã desta segunda-feira (11), uma manifestação, em frente a unidade de ensino, contra um coordenador que expulsou uma estudante de dentro de sala de aula por ela estar com a filha de dez meses no colo.

Um vídeo, que circula nas redes sociais desde a última sexta-feira (8), mostra o momento em que um coordenador obriga a aluna a sair da sala por estar com uma criança no colo. As imagens, registradas por um estudante, ‘viralizaram’ na internet.

A dona de casa Joyce Guedes, mãe de uma estudante, disse se sentir “revoltada” com a atitude do coordenador. “Eu me sinto revoltada. Fui mãe nova, estudei nesse colégio e saí em 2002. A gestão não era assim, eu tinha apoio. O colégio era acolhedor. Hoje, você vê situações em que as pessoas te tratam como se você não fosse nada”, disse ela.

Alunos reunidos em frente a Escola Estadual Vasco Vasques, na zona leste de Manaus (Foto: Yago Frota)

Joyce falou, ainda, que até agora não haviam explicado o fato. “Não tem como se sentir bem em um colégio como esse. É uma vergonha. Os professores podem até não ganhar bem, eu reconheço. Enquanto um político ganha bem, um professor ganha um salário de vergonha, mas enquanto está trabalhando precisa dar o seu melhor”.

A coordenadora estadual da União Brasileira de Mulheres (UBM), Laide Barros, ressaltou que a escola deveria ser “um ambiente acolhedor, mas se tornou um local de opressão e humilhação”. “A aluna foi impedida, humilhada e obrigada a sair da sala. Esse profissional não está preparado pra lidar com estudantes. Essa ação infringe o Artigo 205 da Constituição que diz que é dever de todos ter direito à Educação, todos devem ter acesso à Educação”, destacou Laide.

Para ela, ser mãe não é empecilho. “Ser mãe não é empecilho para que estudante possa estudar. Imagina quantas jovens passam por isso?
Ser mãe é uma função social, ela está gerando um outro ser humano, gerando uma pessoa, não pode ser condenada por isso. A pessoa está indo à sala de aula buscar conhecimento para que tenha uma melhor perspectiva de vida e de futuro”, finalizou.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) reiterou que a postura do inspetor não condiz com a boa prática pedagógica estimulada pela secretaria, que orienta a abordagem de casos como esse sem que haja qualquer constrangimento aos pais e alunos envolvidos.

“No vídeo em que estudante da Escola Estadual Vasco Vasques aparece, a equipe pedagógica da instituição apurou e garantiu retratação dos envolvidos, inclusive com os pais e responsáveis da adolescente. A aluna segue frequentando as aulas normalmente, sem que haja qualquer prejuízo às atividades dentro da instituição”, finalizou a nota.

A equipe de reportagem do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC) tentou falar com a direção do colégio que até o momento não se posicionou.

***Matéria atualizada às 9h47 para acréscimo de informação

Anúncio