Arthur fiscaliza abastecimento de combustível em garagens de ônibus: ‘povo merece respeito’

Durante visita a garagens de ônibus, prefeito destacou o diálogo que teve com os manifestantes onde afirmou que Manaus não poderia ficar sem transporte coletivo e outros serviços

Manaus – O prefeito de Manaus Arthur Neto fiscalizou, neste sábado (26), garagens de ônibus para verificar o abastecimento de combustíveis para a frota do transporte coletivo da capital. Em uma das empresas, Arthur verificou o abastecimento de mais de 100 mil litros de Diesel que foram liberados pelos caminhoneiros em greve.

“Fiscalizei o abastecimento das garagens de ônibus para que o transporte coletivo em Manaus volte à normalidade e sem mais nenhum prejuízo à população manauara. Por isso não me omiti, nem me acovardei em ir até os manifestantes para dizer que Manaus não podia ficar sem transporte coletivo e serviços essenciais”, disse.

Durante a atividade, ele agradeceu ainda o empenho das forças de segurança, especialmente ao Comandante Militar da Amazônia, General de Exército César Augusto Nardi de Souza, pelo apoio na normalização do abastecimento na capital. “Agradeço às forças de segurança, especialmente ao general Nardi com quem me reuni neste sábado, pela colaboração em garantir o bom funcionamento da cidade com a normalização nos postos de combustíveis e demais serviços em Manaus”, destacou.

Segundo ele, a situação está voltando a normalidade. “Fico feliz porque estamos normalizando a situação de abastecimento em Manaus. Visitamos uma empresa de transporte coletivo e verificamos o abastecimento de 100 mil litros de Diesel em apenas um tanque, por isso não poderíamos ficar sem o abastecimento dos ônibus do transporte coletivo”, alegou. O prefeito também lembrou do diálogo estabelecido com os grevistas.

“Ontem procurei fazer a minha parte e forçar um diálogo com os grevistas para dizer para eles que, por mais justos que possam ser os motivos deles, eu tenho uma cidade a defender, uma cidade com 2,2 milhões de habitantes que não pode ficar sem alimentos, remédios, sem funcionamento da Maternidade Moura Tapajós, sem funcionamento do Samu, sem atendimento às necessidades essenciais do seu povo”, afirmou.

Arthur Neto também afirmou que o importante era não se omitir diante da situação. “Nosso povo merece muito respeito por parte inclusive de quem faz greve, e aí eu digo, que muita gente me criticou e eu respondo: para quem gostou de eu ter ido lá, beleza. Para quem não gostou, beleza também. O importante é a minha consciência em não me omitir e não fugir da raia em nenhum momento e defender a cidade de Manaus”, concluiu.