Asprom quer a suspensão das aulas após casos confirmados da covid-19 entre professores da rede pública de ensino

Segundo dia de Manifestação, Asprom homenageia vítimas da Covid-19

Manaus – Pelo segundo dia consecutivo, os representantes do Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus, Asprom Sindical, fizeram manifestação contra o retorno das aulas da rede pública, na manhã desta quarta-feira (19), ao lado do Terminal de Integração da Cidade Nova (T3), zona norte de Manaus.

(Foto: Renê Silva)

Além das aulas, o manifesto foi uma maneira de homenagear as pessoas que faleceram por Covid-19, incluindo professores. Segundo o coordenador da Asprom Sindical, Lambert Melo, a nova contagem feita pela Fundação de Vigilância Sanitária do Amazonas (FVS-AM) mostra que o Governos do Estado, mentiu durante o ápice da pandemia.

“Eles anunciaram a recontagem da mortes. Isso mostra que eles mentiram. Coloraam que as pessoas tinham falecido por outras doenças, quando na verdade era Covid-19. Quem é que nós garante que eles não estão fazendo isso agora? Que eles não estão maquiando os números para forçarem o retorno das aulas?”, indagou Lambert.

Na manhã desta terça-feira (18), os representantes da Asprom Sindical foram recebidos pelo Deputado Estadual Dermilson Chagas, logo após a carreata. O parlamentar de oposição se comprometeu com a causa dos professores.

“Ele teve a humanidade de nós escutar e entender nossa indignação. Ele atendeu nosso pedido de audiência pública na Assembleia Legislativa do Amazonas, que se tudo der certo, será na próxima terça-feira (25). Por isso, convidamos a população e também os professores, para nós apoiar nesta causa”, finalizou.

Anúncio