Atenção básica de saúde em Manaus é destaque no País

Cobertura da Saúde na capital do Amazonas registrou um crescimento que coloca a cidade à frente do Rio de Janeiro, Curitiba e Salvador, ficando atrás apenas de Florianópolis

Manaus – A Prefeitura de Manaus fechou o ano de 2019 com índice parcial (até novembro) de 51,5% de cobertura da Atenção Básica em Saúde. As informações são do e-Gestor, plataforma web oficial para centralização dos acessos e perfis dos sistemas da Atenção Básica, que agrupa informações próprias para os gestores estaduais e municipais. Com isso, a saúde no município registra um crescimento que coloca a cidade à frente do Rio de Janeiro (51,26%), Curitiba (48,56%) e Salvador (39%), sendo a segunda capital do País que mais cresceu em cobertura – 5,71% em 11 meses – ficando atrás apenas de Florianópolis (8,2%).

“Esse percentual, parcial, é resultado de estratégias que nossa administração vem adotando, a fim de possibilitar o acesso da população aos serviços básicos de saúde, que são de responsabilidade do município, como a criação da Escola de Saúde Pública, que atua no âmbito da especialização em Saúde Pública e Programa de Residência Médica de Família e Comunidade. A Esap contribui tanto para o incremento da cobertura da Atenção Primária à Saúde, quanto para a qualificação dos profissionais para atuação nesses serviços”, destacou o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto.

Para 2020, Semsa estima uma elevação ainda maior desse patamar (Foto: Márcio James/Semcom)

Para 2020, a administração do município estima uma elevação ainda maior desse patamar, pois tem em andamento um processo para a realização de concurso público, previsto para o primeiro semestre; a inauguração de quatro Unidades Básicas de Saúde Móveis, que vão atender as necessidades e prioridades em saúde dos cidadãos que residem em áreas de expansão da cidade e/ou de vulnerabilidade social, que considera as dimensões epidemiológica, demográfica e socioeconômica; além da inauguração de cinco novas unidades de saúde, inclusive novas Clínicas da Família, já em fase de construção.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, lembra que entre os anos de 2013 e 2019, a Semsa registrou oscilações na cobertura da Atenção Primária, em decorrência de fatores que independeram da gestão.