Atividade rural é o maior alvo de raios, aponta estudo

Levantamento feito pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Inpe, mostra que o Amazonas é o segundo Estado do País com maior incidência de raios por quilômetro quadrado

Manaus – O Amazonas é o segundo Estado com maior incidência de raios por quilômetro quadrado, com quase 16 descargas elétricas, segundo levantamento de 2017, feito pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Com a chegada das estações primavera e verão, as descargas tendem a aumentar, de acordo com o órgão.

Alta incidência de raios é característica da primavera e verão. (Foto: Divulgação/Elat)

Segundo o levantamento do Elat, a principal circunstância na qual ocorrem mortes por raio é durante as atividades rurais (25%), seguido de pessoas que estão dentro de casa (18%), próximas a veículos (10%), embaixo de árvores (8%), jogando futebol (7%), embaixo de coberturas (5%) e na praia (4%).

No último dia 16, o Elat registrou a morte de uma adolescente, de 17 anos, que foi atingida por um raio na cidade de Silves (distante 212 quilômetros de Manaus). Outras seis pessoas ficaram feridas após receberem a descarga elétrica no município de Silves.

Segundo relatos de testemunhas, as pessoas foram atingidas pela descarga atmosférica enquanto almoçavam. A jovem que faleceu na hora tinha apoiado um prato de alumínio no colo e estava com um pinça presa nos cabelos. Duas pessoas ainda chegaram a desmaiar. Na comunidade, duas casas desabaram durante o temporal. O grupo foi encaminhado para o pronto-socorro e apenas uma vítima, em estado grave, foi transferida para um hospital de Manaus, enquanto os demais foram liberados.

Na lista de Estados com grande incidência de raios está o Tocantins (17,1 raios por quilômetro quadrado), Amazonas (15,8), Acre (15,8), Maranhão (13,3), Pará (12,4), Rondônia (11,4), Mato Grosso (11,1), Roraima (7,9), Piauí (7,7) e São Paulo (5,2).

A alta incidência de raios também é característica da primavera. A cada ano, mais de 77 milhões de descargas elétricas atingem o Brasil, tornando o País líder mundial na incidência desse fenômeno, sendo que 90% das ocorrências são registradas durante a primavera e o verão por causa do choque de massas de ar com temperaturas diferentes.

O ar fica mais quente e é facilmente transportado para as camadas superiores da atmosfera. A partir de cinco quilômetros de altura, ele começa a formar cristais de gelo no interior das nuvens.

O choque das partículas dentro das brumas deixa os átomos eletricamente carregados, dando origem a uma faísca que dá início ao raio. À medida que a fagulha se aproxima do solo, inicia-se uma descarga do chão para a nuvem. Quando as duas se unem, acontece o raio.

Prevenção

A prevenção é o principal meio para evitar mortes provocadas por raios. Durante as tempestades, deve-se evitar locais altos, sentar embaixo de árvores ou deitar no chão. A pessoa também deve manter distância de poças de água e objetos que possam conduzir a eletricidade, como linhas de energia e cercas de arame farpado.

Anúncio