Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército comemora 75 anos com ação em Manaus

Militares da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército Brasileiro saltaram de aeronaves no último sábado (12) na praia da Ponta Negra, zona oeste da capital

Manaus – No dia 26 de dezembro a Brigada de Infantaria Paraquedista, sediada no estado do Rio de Janeiro, irá completar 75 anos de existência. A Cerimônia ocorrerá no dia 21 de novembro e contará com a presença de três militares da primeira turma do Centro de Instrução Paraquedista General Penha Brasil (CI Pqdt GPB).

Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército comemora 75 anos com ação em Manaus (Foto: Marcos Lima/GDC)

A Brigada foi idealizada pelo então Capitão De Pessoa, durante a Segunda Guerra Mundial, após o Militar ter sido autorizado pelo Exército Brasileiro a treinar em Fort Benning, EUA, com os paraquedistas americanos, se tornando assim o primeiro paraquedista brasileiro.

O nome do Centro de Instrução foi dado em homenagem ao Coronel Nestor Penha, primeiro comandante do Corpo de Alunos do Núcleo de Formação Paraquedista.

A Brigada de Infantaria Paraquedista é considerada a elite do Exército Brasileiro e, de 1945 até 2020, foram mais de 90 mil paraquedistas militares formados.

Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército comemora 75 anos com ação em Manaus (Foto: Marcos Lima / GDC)

Em Manaus, militares da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército Brasileiro saltaram de aeronaves no último sábado (12) na praia da Ponta Negra, zona oeste de Manaus. A ação faz parte de um ensaio de saltos em massa d’agua que é um exercício da tropa que veio a Manaus participar da Operação Amazônia, que é um exercício inserido no Programa de Adestramento Avançado de Grande Comando (PAA G Cmdo), previsto no plano de gestão do Comando Militar da Amazônia (CMA), envolvendo mais de 3.600 militares, de cinco Comandos diferentes.

Nas primeiras horas do último sábado(12), 157 militares do exército foram ao Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CECMA), na avenida Coronel Teixeira, bairro Ponta Negra, na zona Oeste da capital, para preparar a ação na água. Foram utilizadas 12 lanchas e duas embarcações do tipo ferry boat para resgatar os paraquedistas após o salto.

O Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Estevam Cals Theophilo Gaspar de Oliveira. Acompanhado do Comandante da Brigada de Infantaria Paraquedista, General de Brigada Helder de Freitas Braga, estiveram a bordo de uma embarcação à margem do espaço de operação.

“Esse salto faz parte do adestramento da tropa paraquedista para o ambiente de selva. Nós estamos finalizando o trabalho específico. No momento que a gente recebe a missão já sabemos o terreno e o inimigo que vamos enfrentar e sabemos nossa missão. As tropas fazem um trabalho específico para aquela missão. O adestramento completo, que já existe, a gente faz uma preparação específica. Nós já estamos com todas as tropas concentradas aqui em Manaus e estamos fazendo esse trabalho especifico”, declarou o General Theophilo.

A brigada paraquedista é composta por 17 organizações militares e a gente constitui três forças tarefa que são baseadas nos batalhões de infantaria. Para o Comando Militar da Amazônia foi designado um desses batalhões que passa ao comando militar de área que passa a fazer o emprego”, completou o General Helder.

Além da Brigada de Infantaria Paraquedista do Rio de Janeiro, estiveram envolvidos o CECMA e o 1º Batalhão de Infantaria de Selva – Aeromóvel.

“É uma experiencia muito boa para mim. Desde quando eu entrei no exército, eu sonhei fazer parte dessa força tarefa e hoje estou maravilhado com essa missão”, disse o paraquedista Iris Sá.

Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército comemora 75 anos com ação em Manaus (Foto: Marcos Lima/GDC)

Anúncio