Caics e Caimis fecham portas para usuários

Mesmo após a reabertura total do comércio na capital, os Caics e Caimis seguem fechados para o atendimento ao público, com 900 servidores recebendo e sem ter o que fazer

Manaus – Os serviços dos Centros de Atenção Integral à Saúde da Criança (Caics) e dos Centros de Atenção Integral à Melhor Idade (Caimis) foram suspensos no dia 24 de maio, deste ano, devido à pandemia da Covid-19, segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas (SES-AM). Mesmo após a reabertura total do comércio na capital, os Caics e Caimis seguem fechados para o atendimento ao público, com 900 servidores recebendo e sem ter o que fazer.

Equipe do GDC conferiu que todos os Caics e Caimis estão fechados (Foto: Laurismar Sampaio/GDC)

Os funcionários dessas unidades de saúde continuam cumprindo expediente e recebendo seus salários normalmente, gerando apenas gastos e despesas desnecessárias ao erário público. Ou seja, os colaboradores, atualmente, não servem ao cidadão em suas necessidades, mas atuam como ‘vigias de luxo’, com salários que chegam a R$ 13 mil, no caso dos médicos.

“Estamos indo trabalhar normalmente e temos todas as condições para voltar a atender à população, estamos com ambulatório e com toda a estrutura. Porque continua fechado?”, questionou a servidora de uma das unidades de atenção integral que pediu para não ser identificada, a fim de evitar represálias. “São salários altíssimos e alguns desses profissionais, os escolhidos, estão em casa”.

Uma fonte oficial ouvida pela reportagem revelou que depois da denúncia feita pelo programa AMAZONAS DIÁRIO, da RECORD NEWS MANAUS, na semana passada, “eles (funcionários das unidades) falaram que vão realizar uma reunião geral para decidir a data para o retorno dos serviços das unidades de saúde”. Esse relato se deu após a equipe do AMAZONAS DIÁRIO visitar todos os Caics e Caimis de Manaus, que permanecem com as portas trancadas.

Consulta particular

No Caimi Paulo Lima, no bairro Colônia Oliveira Machado, na zona sul, um homem de 60 anos, que não quis se identificar, foi procurar atendimento médico e se deparou apenas com cadeados nos portões da unidade. Ele disse que o funcionário que o atendeu indicou o endereço de um dos médicos que atua gratuitamente no local para atendimento particular.

“Já venho a essa unidade há anos. Vim achando que estavam atendendo, mas fui informado que não está funcionando e me passaram o endereço de um dos médicos que atende aqui e que tem consultório particular aqui próximo. Vai ser o jeito, vou ter que ir lá e ver quanto é a consulta e pagar”, relatou o idoso.

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) instaurou procedimento administrativo no dia 1º de setembro para acompanhar a necessidade de suspensão dos serviços dos Caimis em razão da pandemia de Covid-19, bem como os protocolos e as medidas sanitárias necessárias para o retorno de suas atividades.

Nota

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde informou que os Caimis e Caics da capital permanecem fechados, pois estão passando por uma reestruturação física e de serviços.