Campanha ‘Justiça pela Paz em Casa’ começa com 1,2 mil audiências pautadas

A campanha inclui várias ações de conscientização voltadas ao combate e à prevenção da violência doméstica

Manaus – O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) realiza, nesta semana, a terceira e última edição de 2019 da campanha ‘Justiça pela Paz em Casa’. No período de 25 a 29 de novembro, serão realizadas cerca de 1.200 audiências e várias ações de conscientização voltadas ao combate e à prevenção da violência doméstica.

O objetivo da campanha, que tem o apoio Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e acontece em todo o País, é ampliar a efetividade da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), concentrando esforços para agilizar o andamento de processos relacionados à violência de gênero.

A terceira e última edição de 2019 da campanha começa nesta segunda-feira (25) e vai até a próxima sexta-feira (29) (Foto: Divulgação)

No Amazonas, a ação é coordenada pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Risco – que tem como coordenadora estadual a desembargadora Carla Reis e como subcoordenadora a juíza auxiliar da presidência do TJAM, Elza Vitória de Mello – e executada pelas equipes dos Juizados Especializados no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, que funcionam na capital, bem como pelas Varas das comarcas do interior.

De acordo com a juíza Elza Vitória de Mello, essa última etapa terá o mesmo empenho das outras duas edições da campanha, que ocorreram em março e agosto deste ano. “Nós tivemos um aumento considerável no julgamento de processos de feminicídio e violência doméstica na capital e no interior neste ano de 2019. Batemos todas as metas do CNJ antes do término do ano e tudo isso graças à dedicação dos colegas juízes e servidores na capital e no interior. Esperamos continuar firmes nesse propósito”, destacou a magistrada.

Conforme designação do presidente do TJAM, desembargador Yedo Simões, por meio da portaria nº 2805/2019-PTJ, atuarão, na capital, no período de esforço concentrado os juízes de Direito Ana Lorenna Gazinneo; Áurea Lina Gomes; Renata Tavares Afonso e André Muquiy (no 1º Juizado Maria da Penha); Luciana Nasser; Eline Paixão; Igor Campagnoli (no 2º Juizado Maria da Penha); Reyson Silva; Tamiris Figueiredo; Juline Rossendy e Larissa Padilha (no 3º Juizado Maria da Penha).

Ações educativas

Em paralelo às audiências, os ‘Juizados Maria da Penha’, por meio de suas equipes multidisciplinares, desenvolvem atividades de orientação durante o período da ‘Justiça pela Paz em Casa’. O ‘1º Juizado Maria da Penha’, que tem como titular a juíza Ana Lorena Teixeira Gazzineo, iniciou as atividades já nesta sexta-feira (22), com a roda de conversa com homens sobre o tema ‘A construção da masculinidade e os efeitos na saúde do homem’, realizada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) José Rodrigues, no bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus.

Na terça-feira (26), no período da tarde, haverá mais uma edição do ‘Projeto Maria Vai à Escola’, para alunos da Escola Estadual Professor Jorge Karam Neto, que funciona na Rua Tucano, 364, no bairro Tancredo Neves, zona leste. De segunda a sexta-feira (25 a 29), haverá atendimentos psicossociais para homens e mulheres com processos em andamento no juizado.

Já o ‘2º Juizado Maria da Penha’, que tem como titular a juíza Luciana da Eira Nasser, realizará uma nova edição do ‘Projeto Maria Acolhe’, que promove rodas de conversa sobre o combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. Além disso, haverá a realização de um trabalho de orientação e acompanhamento psicológico das vítimas antes das audiências, para que dúvidas sejam esclarecidas e para garantir melhor compreensão sobre os direitos e as etapas do trâmite judicial.

Fique por dentro

Iniciado em março de 2015, o ‘Justiça pela Paz em Casa’ conta com três edições de esforços concentrados por ano. As semanas ocorrem em março – em alusão ao Dia Internacional da Mulher –, em agosto – por ocasião do aniversário de sanção da Lei Maria da Penha, e em novembro – em alusão ao Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, estabelecido pela ONU e celebrado no dia 25 de novembro.

Além do esforço concentrado para realização de audiências e julgamentos de casos de feminicídio, o programa também promove ações interdisciplinares organizadas que objetivam dar visibilidade ao assunto e sensibilizar a sociedade para a realidade violenta que as mulheres brasileiras enfrentam.

Anúncio