Candidato à presidência do Crea-AM já foi denunciado por estelionato

Allisson Leão já foi alvo do MP-AM por estelionato, tendo como vítimas as empresas Casa das Correias e A. de Rocha Hozana

Manaus – O candidato à eleição para a presidência do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM), Allisson Vicente de Araújo Leão, já foi alvo de denúncia do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), por crime de estelionato, tendo como vítimas as empresas Casa das Correias e A. de Rocha Hozana, esta última onde ele trabalhava.

(Foto: Divulgação)

Leão, que preside a ‘Crea para Todos’, nas eleições do dia 17 de novembro, foi denunciado pela 9ª Promotoria de Justiça, conforme o inquérito policial 4/051, após a empresa dar entrada em um Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia Especializada de Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD) citando o Artigo 171 do Código Penal, que configura estelionato.

De acordo com a ação do MP, Allisson Leão, que na época desempenhava a atividade de vendedor, se aliou a Carlos Augusto Rocha Costa, Marcelo Augusto Rodrigues da Silva e André Luiz Costa Rodrigues, e “obtiveram vantagem ilícita ao induzir os proprietário da empresas Casa das Correias e A. de Rocha Hozana a um erro”.

Segundo o documento constante do processo 001.05.009850-1, o esquema consistiu na simulação da compra de mercadoria. Alisson Leão recebeu R$ 9,3 mil do empresário Carlos Hozana, proprietário da empresa A. da Rocha Hozana, onde ele trabalhava, para a compra de mercadorias na Casa das Correias, conforme um orçamente previamente estabelecido. No entanto, ele entrou em contato com Marcelo, então funcionário da Casa das Correias, a quem pagou R$ 1,5 mil e, segundo a denúncia do MP-AM, ambos simularam a venda.

Na trama entrou ainda o motorista Carlos Augusto, da empresa Rocha Hozana, que aceitou fazer o transporte da mercadoria por R$ 300, cita o órgão ministerial.

O outro denunciado, André Luiz, funcionário da Casa das Correias, mediante a promessa de Marcelo, de que receberia R$ 600, colocou a mercadoria no veículo de Carlos Augusto, conforme a denúncia do MP-AM apresentada pela promotora Lucíola Valois Coelho da Silva, no dia 25 de agosto de 2008.

No último dia 9 de agosto, após 15 anos em tramitação, o processo foi extinto pelo juiz da 9ª Vara Criminal, Anesio Rocha Pinheiro, após o cumprimento da suspensão condicional, com a extinção da punibilidade, cita o magistrado. A baixa definitiva ocorreu no último dia 30 de agosto, quando a decisão foi publicada.

Confira documento na íntegra aqui.

Em nota, Alisson Leão informou que não responde a processo criminal nem possui pendência judicial e anexou uma Certidão de Antecedentes Criminais. Salienta ainda que para participar da disputa à presidência do Conselho, que tem eleição marcada para o dia 17 de novembro, cumpriu todo o rito exigido, apresentando a documentação que comprova sua qualificação e lisura de caráter e que está aberto a atender a imprensa sobre qualquer assunto.

blank

Anúncio