Cerca de 160 barcos devem sair do Porto de Manaus com destino a Parintins

Para garantir a segurança do tráfego aquaviário e dos passageiros no período do Festival Folclórico, embarcações serão fiscalizadas pela Marinha em postos fixos estruturados pela Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC)

Manaus – Cerca de 160 barcos devem sair do Porto de Manaus com destino à Parintins, até sexta-feira (27), segundo o capitão dos portos da Amazônia Ocidental, comandante Alexandre Veras. Para garantir a segurança do tráfego aquaviário e dos passageiros no período do Festival Folclórico de Parintins, a Marinha do Brasil, por meio do Comando do 9º Distrito Naval, está realizando a Operação Parintins.

Marinha está realizando a Operação Parintins (Foto: Divulgação)

As embarcações serão fiscalizadas nos postos fixos estruturados pela Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (Cfaoc).

Na ação, a Marinha procura monitorar a documentação das embarcações e dos condutores das mesmas, além das boias e coletes, e, ainda, a estrutura da embarcação.

“Na verdade, um dos grandes objetivos dessa base fixa é ter a oportunidade de contar quantas pessoas estão sendo transportadas para evitar o excesso de lotação”, salientou o capitão.

No trecho até a ilha tupinambarana, há fiscalizações, também, em Itacoatiara e Parintins (Foto: Divulgação)

No total, 106 militares trabalham na base fixa, em Manaus, 24 horas por dia. No trecho até a ilha tupinambarana, há fiscalizações, também, em Itacoatiara e Parintins.

Conselho Tutelar

Em parceria com a Capitania dos Portos, o Conselho Tutelar, também, atuará na fiscalização verificando a situação de crianças e adolescentes que estão viajando para o Festival e, também, para outros municípios. Segundo o conselheiro tutelar da zona rural de Manaus, Manoel Júnior, até às 16h, desta terça-feira (26), cerca de 58 crianças e adolescentes foram abordados. Todos estavam dentro da legalidade.

“Para viajar, a criança precisa estar acompanhada dos pais ou parentes até terceiro grau. No caso do adolescente, ele pode viajar sozinho, desde que tenha autorização judicial. Se for identificada alguma ilegalidade, a criança é retirada do barco e acionamos a Secretaria de Segurança para que possamos localizar a família”, explicou.