Cientistas protestam contra redução dos investimentos em pesquisa no AM

Cancelamento de políticas e cortes de recursos para o setor impactam na produção científica da região. O Amazonas detém 1% do quadro nacional de especialistas e doutores

Manaus – O Amazonas concentra apenas 1% de todo o quadro de especialistas de doutores do País, segundo último levantamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Redução do Estado e da União nos investimentos para programas de pesquisa foram discutidos em reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), nesta quinta-feira (14), no Largo São Sebastião, Centro.

Instituições como o Inpa operam no limite do orçamento. (Foto: Arlesson Sicsú 30/01/11)

Há mais de três anos, o governo estadual extinguiu a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secti) e desde então, segundo a representante da SBPC Tatiana Schor, os recursos ficaram cada vez mais escassos. Ao todo, 1.420 doutores estão registrados no CNPq, pelo Amazonas. O vizinho Pará tem quase o dobro de doutores e registrou na entidade 2.722 doutores. Os dados mais recentes do CNPq são de 2016.

“A ciência é peça chave em qualquer processo de desenvolvimento econômico e social. É necessário investir em educação e pesquisa. Mas a realidade é ruim e continua com os piores índices de educação, pesquisa e produção em tecnologia e inovação”, disse a representante.

A reunião com pesquisadores, estudantes, ONGs, e especialistas foi realizada na tarde e noite desta quarta, no MUSA no Largo São Sebastião, no Centro da cidade. Após a programação, que trouxe o tema: “Qual o futuro da ciência no Amazonas?”, o grupo pretende criar uma carta para cobrar dos políticos do Estado a aplicação da Constituição Estadual, parte do orçamento para o progresso da ciência.

“Precisa de transparência para os recursos. Se fala sobre o conhecimento científico, a popularização desse conhecimento, mas o Musa e o Bosque da Ciência têm pouco investimento, está às traças. Vamos montar uma carta, para candidatos ao governo e do legislativo”, disse.

No Amazonas, Química (58) e Ciência da Computação (51) são as áreas com maior número de doutores. Física e Geociência lideram as áreas de exatas, com 42 doutores cada um. Por grande área, o CNPq informou que Biológicas (301) e Saúde (267) concentram a maioria dos especialistas.

Anúncio