Com grande desperdício de água, tarifa média de Manaus é a mais cara do Norte

Relatório do Conselho Federal de Administração aponta que o Amazonas, ‘além de não investir em melhorias na prestação dos serviços, também tem compensado o prejuízo praticando tarifas mais caras’

Manaus – O Amazonas é o terceiro Estado que mais joga água tratada fora, no País. Na capital, o desperdício ainda resulta na cobrança da tarifa mais cara da Região Norte, 70% maior que a média de toda região, segundo revelou o estudo-diagnóstico do Conselho Federal de Administração (CFA), em parceria com o Sistema de Governança, Planejamento e Gestão Estratégica de Serviços Municipais de Água e Esgoto (GESAE), divulgado na última semana.

Hoje, dos 630 milhões de litros de água captados diariamente do Rio Negro e tratados, 40% são desperdiçados (Foto: Nathalie Brasil/Arquivo)

De acordo com o relatório, o Amazonas, “além de não investir em melhorias na prestação dos serviços, também tem compensado o prejuízo praticando tarifas mais caras”, criticou o órgão no levantamento. Enquanto a Região Norte, por exemplo, tem a tarifa-média de R$3,11, a capital Manaus alcança a marca de R$ 5,28, cerca de 70% a mais.
Mais da metade da água tratada que entra na rede de distribuição (65%), não tem retorno financeiro e é desperdiçado. Conforme o estudo do Conselho, ao todo, são 639 litros de água jogados fora, diariamente, em cada ligação, em todo o Estado.

O levantamento leva em conta, para falar de desperdício, a perda de faturamento. Segundo o CFA, o Amazonas é o terceiro com o maior índice de perdas de faturamento da Região Norte (66,03%) – sendo superado somente por Roraima (80,41 %), Amapá (80,36%). Além disso, no quesito perdas por ligação de água, o Estado ocupa a segunda posição na Região (807,67l/dia/ligação), perdendo apenas para o Acre (870,52 l/dia/ligação).

Por ano, a perda chega a 233.235 litros de água portável em todo o Estado – a quantidade seria suficiente para abastecer uma família de quatro pessoas por, pelo menos, 530 dias ou cerca de um ano e meio, seguindo a recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) de consumo diário de 110 litros diários, por pessoa.

Origem do desperdício

E onde está o vazamento de tanta água? Segundo o CFA, os famosos ‘gatos’, ou furtos de água e os vazamentos nas tubulações, além do uso de medidores de água antigos que, segundo o CFA, não medem o real consumo, contribuem para o que o órgão classificou como uma “vultosa perda” de água no Amazonas.

“Essa alta perda de faturamento prejudica os investimentos que poderiam ser feitos para a universalização de um serviço que é essencial. Importante frisar que estamos falando de água captada, tratada e distribuída que não é faturada junto aos clientes”, explica o presidente do Conselho Federal de Administração, Wagner Siqueira.

Os municípios que lideram o desperdício de água tratada e consequentemente faturamento, de acordo com o CFA, são as cidades de Envira, Lábrea, Nhamundá, Novo Aripuanã, Tonantins e Urucará, que possuem 100% de perda de faturamento. No quesito perdas por ligação, o destaque é a cidade de Tabatinga, que desperdiça 2.748 litros de água por dia por ligação.

O DADO
5,28 reais é o valor médio da tarifa de água, em Manaus. Em toda Região Norte a tarifa média é de R$3,11.
Ao todo, são 639 litros de água jogados fora, diariamente, em cada ligação, em todo o Estado.

Empresa diz que 40% da água tratada na capital é desperdiçada

A Manaus Ambiental afirmou em nota que é uma concessionária privada e vem investindo na melhoria dos serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto na capital amazonense.

Desde junho sob a gestão da Aegea, a Manaus Ambiental disse que tem trabalhado para reduzir o índice de perdas na cidade.

Hoje, dos 630 milhões de litros de água captados diariamente do Rio Negro e tratados pela Manaus Ambiental, 40% são desperdiçados.

“As fontes para que estas perdas aconteçam na capital são principalmente ligações irregulares, que normalmente deixam redes expostas e sujeitas a vazamentos; vazamentos visíveis e invisíveis em tubulações; e mau uso da água, como deixar torneiras abertas durante atividades cotidianas, tipo tomar banho, lavar louças, lavar carros e afins”, disse a empresa no comunicado.

Foram implantadas iniciativas como o projeto ‘Vem Com a Gente’, que através de estrutura de atendimento itinerante, leva a concessionária aos bairros de Manaus e resolve com mais agilidade demandas de moradores como serviços de renegociações de débitos, vistorias, troca de titularidades, atualização de dados, cadastro de tarifa social, manutenção de rede, vazamentos e ligações. Em três meses foram realizados cerca de 30 mil atendimentos.

Além disso, a Manaus Ambiental informou que beneficia clientes de menor renda com 50% de desconto na tarifa de água através da Tarifa Social.
“As tarifas utilizadas pela Manaus Ambiental são reguladas e fiscalizadas pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman)”, conclui a empresa.

Anúncio