Com quatro meses de salários atrasados, terceirizados da Saúde do AM preparam paralisação geral

Nesta terça-feira (10), enfermeiros, técnicos de enfermagem e maqueiros paralisaram parcialmente as atividades nos hospitais Platão Araújo, 28 de Agosto e Adriano Jorge

Manaus – Os servidores terceirizados da saúde pública do Estado estão ameaçando uma nova paralisação para a próxima semana, caso o governo do Amazonas não realize, até esta sexta-feira (13), o pagamento de quatro meses de salários e vales-transportes que estão atrasados. Na manhã desta terça-feira (10), os trabalhadores paralisaram parcilamente as atividades e protestaram em frente aos hospitais Adriano Jorge, na zona sul; 28 de Agosto, zona centro-sul; e Platão Araújo, na zona leste.

Conforme a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Serviço de Saúde do Amazonas (Sindipriv-AM), Graciete Mouzinho, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) afirmou aos profissionais que o pagamento seria realizado ainda nesta semana. Os servidores devem esperar até esta sexta-feira e, caso não seja efetuado o pagamento, uma nova paralisação deve ser realizada na próxima segunda (16) ou terça-feira (17).

“O governador vai para TV e diz que está tudo pago, mas, se estivesse, ninguém protestava. Se não sair esse pagamento e se eles fizerem somente um repasse, que não dá pra nada, nós vamos protestar, dessa vez, em cada hospital. Eu já olhei no Portal da Transparência e não vi nada para o 28 de Agosto. Então, se não sair esse pagamento até sexta-feira, na segunda ou terça nós vamos parar de novo”, afirmou.

A presidente do Sindipriv-AM afirmou que os salários dos servidores estão atrasados há quatro meses, além disso, há a falta de pagamento dos vales-transportes, o que tem dificultado ainda mais a locomoção para chegarem até o seus postos de trabalho. Graciete relatou, ainda, que as condições nos postos de trabalho estão um verdadeiro “caos”.

“Tem muita gente passando necessidade, colegas que receberam prazo para pagar aluguel até sexta-feira, senão serão despejados. São enfermeiros, técnicos de enfermagem e maqueiros que estão sem receber. Tá um caos dentro do 28 de Agosto, falta medicamento, falta equipe. Infelizmente, isso não pode ser mostrado, mas nós sabemos porque trabalhamos nos setores”, acrescentou.

A manifestação realizada na manhã desta terça, iniciou por volta das 8h e durou por quase duas horas. Além dos profissionais, a presidente do Sindipriv-AM disse que acompanhantes de pacientes também chegaram a participar do manifesto, envolvendo cerca de 50 pessoas em cada unidade.

Nota
Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que o pagamento às empresas Nurses – Serviços de Saúde da Amazônia, Segeam e CC Batista será realizado ainda nesta semana. A Susam ressalta que salários e obrigações trabalhistas de funcionários terceirizados são de responsabilidade da empresa que os contratou. Em relação a paralisação, as unidades disseram que, apesar da ausência de parte dos técnicos, uma redistribuição de funcionários foi realizada e o atendimento segue sem prejuízos.