Com salários atrasados, sindicato critica ‘parte’ de pagamento e ameaça greve

Entidade que representa enfermeiros e técnicos criticou o pagamento de R$ 65 milhões anunciado, nesta quinta-feira (24), pelo governo do Estado referente a apenas dois meses de salários. Categoria está com, em média, cinco meses de salários atrasados

Manaus – Entidade que representa enfermeiros e técnicos criticou o pagamento de R$ 65 milhões anunciado, nesta quinta-feira (24), pelo governo do Estado referente a apenas dois meses de salários, sendo um relativo ao ano de 2019. Com, em média, cinco meses de salários atrasados, a presidente do sindicato da categoria, Gracieti Mouzinho, disse que o valor adiantado não dá ‘nem para pagar o aluguel atrasado’.

“É lamentável. A gente apostou no novo, que iria trazer mudança, mas está pior do que os outros que estavam”, criticou a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Santas Casas, Entidades Filantrópicas e Religiosas e em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado do Amazonas (Sindpriv-AM), em relação ao pagamento.

Entidade criticou o pagamento de R$ 65 milhões anunciado, nesta quinta-feira (24), pelo governo do Estado referente a apenas dois meses de salários atrasados. (Foto: Vitor Souza/Susam)

Na manhã desta quinta-feira, em reunião com os representantes de empresas prestadoras de serviços terceirizados e fornecedores, na sede da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), o governador em exercício, Carlos Almeida, afirmou que R$ 65,7 milhões serão repassados às empresas para o pagamento dos funcionários.

No ano passado a categoria fez cerca de 20 manifestações cobrando atraso dos salários. “Vamos para a reunião amanhã (sexta-feira, 25, com trabalhadores e o Ministério Público do Trabalho) e se continuar desse jeito, a única solução é a greve para ele perceber que ninguém está brincando e que ninguém aguenta mais”, disse a presidente.

Segundo Almeida, 65% de todo o montante destinado aos pagamentos do Estado estão voltados para a Susam. “Isso porque o governo não terá como pagar janeiro, uma vez que os serviços do mês não foram faturados. Como o valor é maior do que o disponível em caixa, serão feitos pagamentos proporcionais à dívida com cada um, mas todos deverão receber”, justificou em nota o governo.

A proposta apresentada pela Susam paga parte do desembolso do pagamento de dezembro de 2018, que soma cerca de R$ 119 milhões. A REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) solicitou o valor da dívida com as cooperativas, mas foi informado, na última terça-feira (22), que o governo ainda estava fazendo o levantamento.

Até o momento a secretaria apresenta um rombo total, segundo o governo, de R$ 2,1 bilhões (R$ 1 bilhão de déficit orçamentário e mais R$ 1,1 bilhão de dívidas herdadas) para 2019.

Em relação às dívidas passadas com as cooperativas, o governador em exercício afirmou que serão tratadas posteriormente, uma vez que necessitam de uma auditoria e o devido reconhecimento legal.

Na tarde desta quinta-feira, uma reunião com o Ministério Público do Trabalho (MPT-AM), representantes da Sefaz e Susam deve definir o futuro do pagamento atrasado dos terceirizados.

blank

Em relação às dívidas passadas com as cooperativas, o governador em exercício, Carlos Almeida, afirmou que serão tratadas posteriormente. (Foto: Vitor Souza/Susam)

Anúncio