Comitê de combate a corrupção vai receber denúncias na Arquidiocese de Manaus

Lançado nesta quinta-feira, o Comitê Estadual de Combate a Corrupção Eleitoral e ao Caixa Dois busca mostrar a importância do voto consciente. Sociedade pode ajudar a fiscalizar práticas ilegais

Manaus – Com o intuito de combater práticas ilegais durante o processo eleitoral de 2018, a Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Amazonas (OAB-AM) e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), junto com outros órgãos, lançaram o Comitê Estadual de Combate a Corrupção Eleitoral e ao Caixa Dois, na manhã desta quinta-feira (7), na sede da Arquidiocese de Manaus. Nas eleições suplementares de 2017, o comitê recebeu 26 denúncias de irregularidades no período eleitoral.

Comitê Estadual de Combate a Corrupção Eleitoral e ao Caixa Dois foi lançado nesta quinta-feira (Foto: Édria Caroline/Divulgação)

O coordenador do Comitê, Carlos Santiago, conta que as ações visam mostrar à população a importância do voto consciente e enfatiza como a sociedade pode auxiliar nas fiscalizações. “Nossa sede ficará aqui na Arquidiocese. As pessoas podem e devem nos procurar caso presenciem alguma irregularidade partindo de candidatos. Todas as denúncias serão averiguadas e devidamente encaminhadas ao Ministério Público Federal, que é nosso parceiro”, explica o coordenador.

As ações do Comitê devem percorrer escolas, universidades e outros espaços públicos, com palestras ministradas por membros da OAB-AM sobre a importância não só do voto, mas, principalmente, do voto consciente. “Percebemos a sociedade desacreditada, desesperançosa na eleição suplementar, ano passado. Um total de 49% dos eleitores não foi às urnas, votaram branco ou nulo. Precisamos conscientizar a população de que podemos transformar a nossa sociedade com um voto sábio, consciente. Devemos escolher representantes não apenas honestos, mas que sejam também bons gestores”, afirma Santiago.

Sobre o nome do comitê ter o ‘Caixa Dois’ como destaque, o Arcebispo de Manaus Dom Sergio Castriani explica que a prática é o início de toda a corrupção. “É aí que começa, é o pai de todas as corrupções. O candidato não pode querer se eleger com a ajuda de um dinheiro ilícito”, diz Dom Sérgio.

Para o presidente da OAB-AM, Marco Aurélio Choy, o estímulo a participação popular no processo eleitoral é de extrema importância para a construção de uma sociedade com políticos mais bem preparados. “A população pode ajudar não só indo as urnas, votando, mas fiscalizando seus futuros representantes principalmente no processo eleitoral”, enfatiza Choy.

O coordenador do Comitê afirma, ainda, que fiscalizações em igrejas também devem ser feitas por serem pontos estratégicos de votos para alguns políticos. As denúncias podem ser realizadas na sede da Arquidiocese de Manaus, na Avenida Joaquim Nabuco ou pelo telefone (92) 99977-9680.

Vinte e seis denúncias em 2017

Na Eleição Suplementar de 2017, no Amazonas, o Comitê recebeu 26 denúncias de irregularidades. Deste universo, 13 foram encaminhadas na forma de representações à Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (PRE/MPF), resultando em investigações e punições de candidatos participantes na eleição.

Outras denúncias foram encaminhadas, na forma de ofício, ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE/AM), como sugestões para buscar solução, por exemplo, à falta de transporte gratuito e de transparência dos gastos de candidatos e partidos políticos. Além do propor documento com compromisso público para que não fosse usado o caixa dois na eleição de todos os candidatos que concorreram ao pleito.

Anúncio