Culinária de Manaus para o mundo ver

Para celebrar o aniversário da cidade, Chef divulga a gastronomia inovando a forma de servir

Manaus – Entre os inúmeros aspectos que tornam Manaus uma cidade única, a culinária tem um destaque especial. Não é por acaso que a famosa frase “quem come jaraqui não sai mais daqui” é tão reproduzida pelos caboclos aos turistas. A variedade de matérias primas advindas da floresta amazônica e herança dos povos indígenas é inigualável e tornam a gastronomia da região exclusiva e de sabor marcante.

Culinária do Amazonas tem peculiaridades do restante do mundo (Foto: Jael Lucena / GDC)

Nesses 352 anos que a capital completa, celebrado neste 24 de outubro, o Diário do Amazonas ouviu quem entende do assunto e tem como lema divulgar a gastronomia amazonense pelo mundo, inovando a forma de servir pratos típicos com muita originalidade.

O chef Claúdio Procópio tem esse propósito desde que veio residir na capital. Ele é natural de Petrópolis, no Rio de Janeiro, e adotou Manaus como sua residência, além de ter se tornado um embaixador da gastronomia amazonense. Seu restaurante fica localizado nas proximidades de um dos principais cartões postais de Manaus: o Mercado Municipal Adolpho Lisboa.

Procópio é um estudioso da gastronomia regional e ressalta que a culinária amazônica tem aspectos únicos e produtos que não são encontrados em outras regiões. Ele também enfatiza que a culinária amazônica está em alta a nível mundial e, por isso, quer levar um “pedaço” do Amazonas para o mundo ver.

blank

(Foto: Jael Lucena / GDC)

“O diferencial do Amazonas com relação a outros locais que eu já morei é a diversidade de ervas, de produtos locais que em outras regiões eu não achei. Há aproximadamente 20 anos a comida amazônica está em alta no mundo e não somente no Brasil. Creio que falta um pouquinho para que isso venha a expandir de verdade. Meu sonho é que em breve possamos ter um restaurante de comida amazônica na França”, afirmou.

Diferencial

Na busca por inovar na apresentação comidas regionais, o chef criou dois pratos que são sucesso em seu restaurante. Como entrada é servido um creme de macaxeira com Curcuma, conhecido como o açafrão do Amazonas, e formigas saúva provenientes da comunidade de São Gabriel da Cachoeira. Já para o prato principal, é servido o tradicional peixe pirarucu defumado com farofa, banana frita e outros acompanhamentos à gosto dentro de um coco.

blank

(Foto: Jael Lucena / GDC)

O chef lançou o livro “Culinária Amazônica – O sabor da natureza”, que surgiu a partir de suas peregrinações pela região amazônica.

“Eu aprendo muito com o caboclo local e essas comunidades têm uma particularidade muito interessante, pois preparam o pescado com pouco ou sem nenhum sal. O livro é bilíngue, em inglês e português, e já foi tese de doutorado. Traz a variedade de temperos e comidas que a população não conhece”, contou.

Anúncio