Donos de Flutuantes criticam decreto

Fechamento dos locais provocou reação da Associação dos Flutuantes do Rio Tarumã-Açu (Afluta) ao assegurar que são embarcações com locação para pequenos eventos e que cumpre as regras contra Covid

Manaus – Após a determinação do governador do Amazonas, Wilson Lima, em fechar estabelecimentos após reconhecer o aumento do número de casos de Covid-19 no Estado, a Associação dos Flutuantes do Rio Tarumã-Açu (Afluta) emitiu na quinta-feira (24) nota contrária ao fechamento dos flutuantes. Também foi determinado o fechamento de balneários, casas de eventos, bares e boates e limitou o funcionamento de restaurante até as 22h.

Flutuantes aglomeram dezenas de pessoas no Tarumã-Açu, em Manaus (Foto: Sandro Pereira/ Arquivo GDC)

Na última semana, a Prefeitura de Manaus também determinou o fechamento da praia da Ponta Negra, na zona oeste e cancelou grandes festividades como o Réveillon.
A nota da Associação dos Flutuantes afirma que os flutuantes particulares de lazer são embarcações privadas destinadas à locação para pequenos eventos familiares e grupos de amigos, mediante agendamento prévio e que cumpre todas as recomendações previstas no Decreto n.º 42.480, de 09 de julho de 2020. A Associação entende que os estabelecimentos desse segmento não se enquadram no decreto do governador, como explicou à reportagem, Lúcio Bezerra, presidente da Associação.

“Nossos estabelecimentos são flutuantes de lazer. Funcionamos com o horário mais reduzido do que o permitido e recebemos grupos de pessoas do mesmo convívio social. Estamos mais para atividade de turismo do que atividade de bares e restaurantes, o que é proibido taxativamente no decreto. A Afluta vai tentar sempre o diálogo para sensibilizar as autoridades e mostrar que nossa atividade cumpre rigorosamente a legislação e não se enquadra nas atividades proibidas pelo decreto”, afirmou o presidente da Afluta.

Abrasel se posiciona

Em nota, a assessoria de imprensa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amazonas (Abrasel-AM) informou que membros da Abrasel se reuniram com Wilson Lima ontem e se comprometeram em enviar nesta terça-feira (28) sugestões para reduzir o impacto causado pelo decreto.

Conforme a determinação de Wilson Lima, o aluguel de sítios, chácaras e estabelecimentos da categoria não será permitido. Ele também culpou as classes A e B pela disseminação do vírus. “Só no último fim se semana fechamos dois estabelecimentos que reuniram em torno de sete mil pessoas”, disse o governador.

Questionado sobre aglomerações e festas clandestinas, o presidente da Afluta afirmou que a associação não compactua com qualquer atividade comercial ou não comercial que esteja descumprindo as normas de segurança sanitárias e as leis determinadas pelas autoridades. “Nenhum de nossos associados descumprem as normas impostas pelas autoridades, todos operam seguindo as orientações e respeitando a legislação”, finalizou.

Amazonas volta a registrar quase 1 mil casos em 24 horas

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), divulga nesta sexta-feira (25), o Boletim Diário Covid-19, edição nº 177, confirma o registro de 916 novos casos de Covid-19, totalizando 135.205 casos da doença no Estado.

Do total de novos casos confirmados da doença no Amazonas, 112 foram detectados por RT-PCR, que aponta casos novos que estão entre o 3º e 6º dias da doença, e 804 por testes rápidos, que identificam os anticorpos, com data de início dos sintomas entre, pelo menos, oito e 60 dias ou mais das primeiras manifestações da Covid-19. Do total de casos detectados por RT-PCR, 38 são na capital e 74 do interior.

Conforme o boletim, foram confirmados oito óbitos por Covid-19, sendo cinco ocorridos nas últimas 24 horas e três óbitos foram encerrados por critério laboratorial, elevando para 4.000 o total de mortes. Na capital, de acordo com dados da Prefeitura de Manaus, nesta quinta-feira (24), foram registrados 33 sepultamentos e cinco óbitos em domicílio. O boletim acrescenta ainda que 16.412 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão sendo acompanhadas, o que corresponde a 12,14% dos casos confirmados ativos.

Nesta edição do boletim, confirma a recuperação de mais 793 amazonenses nas últimas 24 horas, chegando a 114.793 o número de pessoas recuperadas da Covid-19 no Estado.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 334 pacientes internados, sendo 219 em leitos clínicos (86 na rede privada e 133 na rede pública), 111 em UTI (52 na rede privada e 59 na rede pública) e quatro em sala vermelha, estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da rede de atenção à saúde.

Anúncio