Dor, choro e revolta marcam adeus a motorista morto em tentativa de assalto

Franscisco Araújo da Silva, 51, foi enterrado neste sábado (16), no cemitério Parque Tarumã. Ele foi morto quando ocorreu uma troca de tiros entre assaltantes e um policial que estava no ônibus da linha 450

Manaus – Dor, choro e sentimento de revolta marcaram o adeus dos familiares e amigos do motorista Franscisco Araújo da Silva, 51, que foi enterrado, às 16h30 deste sábado (16), no cemitério Parque Tarumã, zona oeste de Manaus.

Francisco foi morto durante um assalto, na noite de quinta-feira (14). O crime aconteceu na Avenida Max Teixeira, bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus, quando ocorreu uma troca de tiros entre assaltantes e um policial que estava no veículo da linha 450.

Emocionado, o irmão da vítima, Enilson Araújo, 44, afirmou que a família de Francisco ainda não recebeu nenhum apoio. “Se fosse para a família do delinquente já teriam dado até indenização, mas como é para um trabalhador ninguém ajuda. Cadê os direitos humanos agora?”, disse.

Enilson Araújo afirmou ainda que, para ele e todos os familiares, Francisco era um herói. “Ele sempre foi o meu herói, o nosso herói. Eu dizia isso para ele. (Choro) Meu irmão saiu para trabalhar doente e não voltou mais. Eu deixo minha indignação e apelo para as autoridades”, afirmou.

Ele disse que na próxima quarta-feira (20), alguns motoristas e familiares vão se reunir para criar um memorial em homenagem a Francisco, no local onde o motorista foi assassinado.

 

Anúncio