Duas academias são interditadas durante fiscalização, na Cidade de Deus

Blitz da Vigilância Sanitária encontrou diversas irregularidades nos locais, incluindo falta de comprovação de profissional habilitado na área

Manaus – Duas academias foram interditadas, nesta segunda-feira (25), durante operação de fiscalização da Vigilância Sanitária (Visa), da Prefeitura de Manaus, em parceria com o Conselho Regional de Educação Física (CREF). As interdições foram feitas pela falta de registro dos estabelecimentos e comprovação de profissional habilitado na área, junto ao Conselho.

As duas academias também foram autuadas pela Visa Manaus por falta de licença sanitária, documento obrigatório para o funcionamento regular. Ambas funcionam no bairro Cidade de Deus, zona leste da capital.

As duas academias também foram autuadas pela Visa Manaus (Foto: Divulgação/Semsa)

De acordo com os fiscais, a academia Planeta Corpo teve interdição total e só poderá voltar a funcionar após regularização junto ao Conselho, o que deve ser solicitado no período de cinco dias. Além disso, o responsável deve comparecer à sede da Vigilância municipal em até 72 horas a fim de solicitar prazo para as providências relativas às exigências sanitárias.

Já a academia Sales teve interdição parcial, uma vez que, apesar de possuir registro no CREF, não comprovou a presença de profissional inscrito no órgão durante a fiscalização, podendo reabrir mediante o comparecimento do educador físico no local. O responsável pela academia também está obrigado a tomar as providências junto à Visa Manaus no prazo padrão de 72 horas.

O objetivo das blitzes, que seguem até a próxima sexta-feira, é, segundo o fiscal de Engenharia Sanitária da Visa Manaus, Ray Siqueira, atestar o funcionamento regular das academias e evitar riscos à saúde dos usuários. “Estamos verificando se as academias têm ou não licença sanitária e exigindo a adequação das que estão funcionando de forma irregular”, informou o fiscal.

Outro foco de inspeção é verificar se a academia conta com profissional de educação física regularmente habilitado. “Estabelecimentos desse tipo devem ter profissionais graduados e inscritos no Conselho, para garantir orientação adequada e evitar riscos e danos à saúde dos praticantes de exercício físico”, explicou o agente de Orientação e Fiscalização do CREF da 8ª. Região, João Carlos Granjeiro.

Itens de inspeção

No que se refere às condições sanitárias, além da licença sanitária, foram alvo de inspeção nas academias as condições dos equipamentos e da estrutura do prédio, incluindo o salão de atividades, banheiros e vestiários.

Em uma delas, os equipamentos estavam em condições precárias e havia fiação exposta, entre outros problemas registrados pelos fiscais. “A outra tinha equipamentos e ambiente adequados, mas com problema de infiltração em uma das paredes”, disse Ray Siqueira.

As fiscalizações da semana estão feitas em academias selecionadas pelo CREF, que, de acordo com o agente João Carlos Granjeiro, priorizou aquelas com algum tempo de atividade e ainda irregulares junto ao Conselho.

Granjeiro informa que no Amazonas existem mais de 500 academias em funcionamento regular, das quais aproximadamente 400 em Manaus. Levantamento do órgão estima entre 20 e 25 academias funcionam de forma irregular.