Estado inicia reintegração de posse do Monte Horebe

A operação conta com o efetivo de mais de 800 servidores e, ao todo, 700 policiais estão atuando diretamente com a montagem de barreiras em pontos estratégicos

Manaus – Desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (2), o governo do Estado, com apoio de órgãos do Amazonas, está realizando a reintegração de posse da Comunidade Monte Horebe, uma das maiores ocupações irregulares da zona norte da cidade. A desocupação do local foi anunciada, na última sexta-feira (28), pelo Gabinete de Gestão Integrada (GGI), em coletiva de imprensa.

Representantes da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), das secretarias estaduais de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Assistência Social (Seas), Meio Ambiente (Sema), do Instituto de Proteção Ambiental (Ipaam), da Superintendência de Habitação (Suhab), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM), da Defensoria Pública (DPE-AM) e do Ministério Público do Estado (MPE/AM) estão presentes no local. A imprensa não teve autorização para acessar a comunidade.

A secretária da Sejusc, Caroline Braz, afirmou que a expectativa é de que mil pessoas sejam atendidas ao longo do dia. “Nós temos a expectativa do atendimento de mil famílias, pelo tempo que for necessário. O levantamento é de que há aproximadamente mil famílias. Nós não temos o número exato. Esse número só será confirmado após o nosso atendimento, e nós só vamos terminar depois que atender a última família”, disse.

Segundo a secretária, o foco é que a abordagem nas casas seja realizada por uma equipe social. Os atendimentos e preenchimento de cadastro serão feitos no Colégio Militar da Polícia Militar VI, na Rua Rio Piorini, Conjunto Viver Melhor, onde está concentrado o Posto de Comando GGI.

“Não vai ser uma reintegração naquele modelo tradicional, que já chega derrubando a casa. Essas famílias, primeiro, serão ouvidas. Vai ser identificada toda a situação dessa família, ela vai ser cadastrada. O que nós não queremos é que essas as pessoas fiquem desamparadas. É uma operação social para garantir que todos terão uma solução de moradia, conforme está no acordo judicial”, afirmou.

A operação conta com o efetivo de mais de 800 servidores, entre policias e equipes de assistência social. Ao todo, 700 policiais estão atuando na reintegração de posse, com a montagem de barreiras em pontos estratégicos.