Família registrou na polícia suposto cárcere antes da morte de Djidja Cardoso

No documento, familiares afirmam que ex-sinhazinha do Garantido estaria em cárcere privado mantida sob efeitos de drogas

Manaus – Um Boletim de Ocorrência (B.O) registrado no dia 24 de abril deste ano mostra denúncia sobre suposto cárcere privado da ex-sinhazinha do Boi-Bumbá Garantido, Djidja Cardoso. O relato foi apresentado por familiares.

(Foto: Reprodução Instagram @djidjacardoso)

O Portal D24am teve acesso a um Boletim de Ocorrência (B.O) registrado em 24 de abril deste ano, onde as tias de Djidja afirmam que a ex-sinhazinha do Garantido estaria em cárcere privado e, em estado lamentável por uso excessivo de drogas. No documento, as duas ainda afirmam que as drogas eram levadas pelo irmão da vítima.

blank

(Foto: Divulgação)

“As comunicantes informam que a Sra. Dilemar Cardoso, vulgo Djidja encontra-se em estado lamentável por estar sendo usuária de drogas e que ninguém permite que esta receba visitas e esta não pode sair de casa já que se encontra em estado de entorpecida, que a família toda é usuária e não permitem que esta receba ajuda”, diz um trecho do B.O.

As mulheres relatam à polícia que ficaram sabendo através de funcionários do salão da própria vítima e que a droga era levada por Ademar Cardoso, irmão de Djidja.

“Não é permitida nenhuma visita, nem de familiares que ficaram sabendo dessas informações por funcionários do salão da própria vítima. A droga era levada para dentro de casa pelo irmão da Djidja identificado como Dedé”, conclui o documento.

Com a morte de Djidja Cardoso, uma série de áudios, vídeos e até acusações de ‘assassinato’ sobre a morte da avó da sinhazinha repercutiram nas redes sociais.

Um vídeo que circulou nas redes sociais logo após a morte de Djidja mostra o momento em que uma briga generalizada é formada em  frente a casa da empresária. Nas imagens, uma mulher que seria parente da vítima acusa um homem de ser o culpado pela morte, ela ainda chama ele de drogado.

Em nota a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), informou que tomou conhecimento do falecimento da Djidja Cardoso, e que uma equipe policial foi deslocada ao endereço e deu início aos procedimentos investigativos cabíveis.

“A PC-AM esclareceu ainda que a causa da morte ainda não foi determinada, mas que está em andamento uma investigação sobre o caso.

A empresária de 32 anos foi encontrada morta, na última terça-feira (28), em sua casa, no bairro Parque 10, na zona centro-Sul de Manaus.

Atualmente, Djidja era sócia de uma rede de salões chamados Belle Femme. Entre 2016 e 2020, Djidja defendeu o item de sinhazinha do boi vermelho e branco no Festival de Parintins.

Anúncio