Famílias do incêndio do Educandos começam a receber cheque-auxílio do Estado

A prioridade do primeiro bloco de pagamentos, segundo a Defesa Civil do Estado, são os moradores que estão vivendo temporariamente em abrigos

Manaus – Ao todo, 84 cheques emergências foram entregues, nesta quinta-feira (27), às famílias atingidas pelo incêndio no bairro Educandos, na zona centro-sul da capital, no último dia 17. A prioridade do primeiro bloco de pagamentos, segundo a Defesa Civil do Estado, são os moradores que estão vivendo temporariamente em abrigos. O levantamento inicial aponta que cerca de 600 famílias perderam tudo nas chamas.

De acordo com o secretário da Defesa Civil do Estado, Fernando Pires, os próximos pagamentos devem ser realizados somente no próximo dia 5 de janeiro, por causa do recesso dos bancos. Dez dias após o incêndio, essa é a primeira ajuda humanitária em dinheiro que as famílias recebem.

Todos os cadastros passam por uma reavaliação dos documentos conforme informou o órgão. Isso ocorre, segundo Pires, para evitar fraudes no recebimento dos recursos da ajuda humanitária.

“São pessoas, são famílias verdadeiramente afetadas com uma margem de erro zero. Então, receberão o apoio do Estado com um recurso de R$ 900, cujo principal objetivo é minimizar os prejuízos causados àquelas famílias”, explicou Pires.

De acordo com o secretário adjunto do órgão, Hermógenes Rabelo, o município repassou à Defesa Civil o cadastro de 723 famílias. Mas após a triagem dos documentos, o órgão estima somente 540 famílias, de fato, estejam entre as vítimas do incêndio.

“Os desabrigados, aqueles que estão nas escolas, na Vila Olímpica, nas igrejas são a nossa primeira prioridade. Estamos fazendo a triagem de todos os cadastros que a prefeitura, a Defesa Civil do município passou para evitar, eu não gosto nem de falar assim, mas para evitar as fraudes”, declarou o secretário adjunto.

Condução ao banco

Após a apresentação dos documentos na sede da Defesa Civil, na Avenida Urucará, no bairro Cachoerinha, os beneficiados foram conduzidos pela Defesa Civil até a rede bancária para efetuar o saque do valor. De acordo com o órgão, a medida foi tomada para garantir a segurança das famílias.

Ainda segundo o órgão, os pagamentos estão sendo feitos em blocos, também para evitar tumulto. “Não dá para todo mundo vir aqui, só os que estão sendo chamados. Como eu disse antes, estamos fazendo uma triagem porque esse recurso é só para abraçar famílias que viviam em área de risco e que foram afetadas pelo incêndio no dia 17”, completou Pires.

Recomeçando com R$ 900

A história dos filhos de Bruna Duarte, 28, que pediram do Papai Noel a casa de volta emocionou os leitores da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC) no último dia 20. Nesta quinta-feira, 27, Bruna foi chamada para um novo capítulo dessa história, quando a família recebeu o cheque emergencial da Defesa Civil do Estado, no valor único de R$ 900.

Bruna se junta às 84 mulheres que receberam a ajuda humanitária e estão nos abrigos improvisados. Após o incêndio ela conta que além do dinheiro que servirá para alugar uma quitinete, a família ainda precisa, de uma geladeira e de uma máquina de lavar roupas.

“Nós estamos lá na escola (Estelita Rodrigues) ainda. Com esse dinheiro vou procurar um canto, nem que seja pequeno. Graças a Deus já ganhei ventilador, um fogão e uma botija, mas para mudar eu preciso muito de uma geladeira”, pediu ela.

Bruna disse que os filhos não receberam presentes de Natal, mas segundo ela, eles conseguem entender a situação. “Hoje mesmo ele estava chorando para voltar pra casa, mas presente eles não ganharam. Estamos sem condições pra comprar, eu falo isso para eles”, afirmou ela.

Para a dona de casa Cláudia Silva, 41, ser chamada para receber o cheque significa um recomeço. Com dois filhos, de sete e 13 anos, ela conta que a maior dificuldade será se adaptar a um novo bairro. “Se me desse uma casa lá mesmo onde a gente morava eu voltava lá. É muito difícil desapegar das pessoas, porque tinha com quem deixar meu filho menor, tem a escola deles que fica no bairro também”, explicou.

Preocupada com o destino da família, a dona de casa Adriana dos Santos, 31, já sondou valores de aluguel nas proximidades de onde morava. “Eu achei um lugar de R$ 600 mais água e luz e minha mãe tem hidrocefalia. Deus é minha maior força nesse momento”, declarou.

Deputados aprovaram, no último dia 21, a emenda que destina R$ 35 mil de indenização às famílias vítimas do incêndio do Educandos. Cerca de R$ 21 milhões do orçamento do Governo do Estado para o próximo ano está reservado para as vítimas.

Anúncio