FVS-AM passa a se chamar FVS-RCP em homenagem a Rosemary Pinto, vítima da Covid

O evento ocorreu em homenagem a Rosemary Costa Pinto, a primeira mulher a assumir o cargo de diretora-presidente da instituição

Manaus – Uma  cerimônia de apresentação do novo título da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), ocorreu, nesta terça-feira (06), em homenagem a primeira mulher a ter o cargo de diretora-presidente da fundação, que foi a óbito em decorrência da Covid-19, no início deste ano.

FVS-AM passa a se chamar FVS-RCP em homenagem a Rosemary Pinto, vítima da Covid. (Foto: Divulgação)

Com a aprovação da Lei estadual 5.501/2021, o órgão passa a chamar-se Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP). A mudança é uma homenagem à epidemiologista, que era carinhosamente chamada de Drª Rose, e que morreu em 22 de janeiro de 2021, aos 61 anos, por complicações decorrentes da Covid-19.

Na sede da FVS-RCP, na avenida Torquato Tapajós, zona norte, uma placa com o novo nome da fundação foi descerrada nesta terça-feira (6) com a presença de autoridades e familiares da homenageada.

Com vasta experiência de 25 anos de carreira, a epidemiologista assumiu a diretoria-presidência da FVS-RCP em 2019, sendo a primeira mulher a estar à frente da instituição, onde permaneceu até poucos dias antes da internação hospitalar, devido à infecção pelo novo coronavírus. De 2013 a 2019, Drª Rose ocupou a diretoria técnica da instituição.

Farmacêutica bioquímica de formação básica e sanitarista, Rosemary fez parte do grupo seleto de 12 profissionais de saúde (entre sanitaristas, epidemiologistas e infectologistas) que criaram a FVS, em 2004, quando ela ainda chefiava o Departamento de Vigilância em SES-AM, antiga Susam.

Biografia

A epidemiologista, sanitarista e farmacêutica-bioquímica Rosemary Costa Pinto foi formada pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz – ENSP/Fiocruz. Ela também se tornou especialista em informação e informática em saúde pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Rosemary também foi docente na cadeira de epidemiologia e saúde coletiva do curso de medicina da Universidade Nilton Lins durante cinco anos. Ela foi membro da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e da Associação Brasileira de Profissionais de Epidemiologia de Campo (Proepi).

Atuou por 22 anos como representante do Amazonas na Câmara Técnica de Vigilância em Saúde do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass).

Rosemary possuía experiência no controle de surtos, epidemias e situações inusitadas, trabalhando ativamente em todos os surtos registrados no estado ao longo dos últimos 25 anos.

Ainda em 11 de dezembro, recebeu a medalha da Ordem do Mérito do Governo do Amazonas, em reconhecimento ao trabalho desenvolvido no combate à pandemia.

Em outubro de 2020, a doutora Rose recebeu, do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), o Diploma de Honra ao Mérito pelos relevantes serviços prestados ao povo amazonense também durante a pandemia de Covid-19.

Anúncio